Diretor da JBS revela em delação que Gomide recebeu R$ 2 milhões em doações ilícitas para a campanha ao governo estadual de 2014

Anápolis

Ricardo Saud, diretor de relações institucionais da J&F (holding que controla a JBS Friboi), revelou, durante depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), que o então candidato do PT ao governo de Goiás em 2014, o vereador por Anápolis, Antonio Gomide, recebeu R$ 2 milhões em doações ilícitas de campanha.

Durante a delação, ele relata que somente naquele ano o Partido dos Trabalhadores recebeu em propina R$ 150 milhões da JBS. Foram R$ 70 milhões para a campanha presidencial de Dilma Rousseff e Michel Temer (PMDB), R$ 50 milhões para a Executiva Nacional e R$ 30 milhões para candidatos a governador.

“Tudo isso foi feito por doações dissimuladas de oficial, que não tem nada de oficial, isso tudo é dinheiro de propina. Foram feitas notas fiscais frias e pagamento em dinheiro”, conta o delator.

Segundo Saud, o então candidato e atual governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, teria recebido pelo menos R$ 30 milhões; Gleisi Hoffmann, senadora e candidata derrotada ao governo do Paraná, teria recebido R$ 5 milhões; Alexandre Padilha, que disputou o governo paulista, R$ 3 milhões; e Antonio Gomide, de Goiás, R$ 2 milhões.

Em vídeo, publicado pelo site de “O Antagonista”, é possível ver o relato (a partir de 5m30s):