Marqueteiros de candidatos erram a mão e perdem oportunidade de ouro nas pílulas na TV: Caiado, agressivo e  arrogante; Zé Eliton, sem mensagem forte e identidade e Daniel Vilela, insípido, sem tesão e pasteurizado

Os marqueteiros dos três principais candidato ao governo em 2018 jogaram na lata de lixo a oportunidade de ouro que tiveram para apresentar seus clientes à sociedade goiana com a veiculação das pílulas do horário político na TV.
Desperdiçaram o verdadeiro canhão que são estes comerciais de 30 segundos, exibidos no horário nobre das TVs. Não têm preço.

Ronaldo Caiado mostra-se agressivo e arrogante, quando o esforço deveria ser em mitigar esses defeitos que saltam nas qualitativas como graves problemas na imagem do senador. Só o ataque não resolve. Não apresenta um caminho e com isso se resume ao tradicional blablablá dos políticos. Ou seja, Caiado não somou nada ao seu projeto em termos de imagem e conteúdo.

Os marqueteiros de José Eliton erraram ao não colocar o candidato para falar. Eliton é jovem, articulado, fala bem e é preparado. Mas acaba aparecendo nas peças beijando criancinhas e abraçando velhinhas. Ficou sem mensagem e identidade. Chance de ouro jogada na lata de lixo por um candidato de bons predicados que precisa se mostrar por completo ao eleitor e não fazendo demagogia com criancinhas e velhinhas.

Por fim, Daniel Vilela talvez tenha sido o pior nas pílulas. Apareceu de forma insípida, sem tesão e pasteurizado. Um robôzinho lendo o teleprompter, aparelho colocado na câmera para o texto ser lido sem que o telespectador perceba.