No Estadão: ministro Aloysio diz que Marconi é capaz de unificar PSDB e critica “histeria” de Tasso

Nacional

Texto publicado no site GBrasil (clique aqui para acessar)

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo desta sexta-feira, o ministro de Relações Exteriores e senador licenciado, Aloysio Nunes Ferreira, afirma que o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), é o nome mais preparado para debelar o incêndio que se alastrou no PSDB e para pacificar a legenda, imiscuída numa guerra entre os grupos dos “cabeças pretas” e dos “cabeças brancas”.

“Perillo tem mais condições de promover a unidade do partido. Sigo os mandamentos de Mateus 12:25: ‘A casa dividida contra si mesmo será destruída’”, resumiu o chanceler, que vê com preocupação a “histeria” do grupo de tucanos favoráveis ao desembarque imediato do governo do presidente Michel Temer (PMDB) – comandado pelo senador Tasso Jereissati (CE).

“Desse jeito, vamos entregar a Presidência para o Lula, em 2018”, previu Aloysio, em uma alusão à tentativa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de voltar ao poder. “Engana-se quem pensa que será carregado nos braços do povo por ter desembarcado do governo. O PSDB será julgado por suas ações concretas em benefício do País. Mas como fazer o discurso da razão com o partido em pé de guerra?”

A briga do PSDB em praça pública, no diagnóstico do ministro, já passou dos limites e cada vez mais prejudica o tucanato. “A chance de vitória do PSDB, em 2018, é ser o fator de agregação do centro político, formado também pelo PMDB e pelo DEM, com base em uma plataforma que está em andamento. Estamos jogando tudo isso pela janela. E qual a nova proposta para colocar no lugar?”, perguntou ele. “Se não percebermos isso, a disputa vai ficar entre Lula e Bolsonaro (deputado Jair Bolsonaro, pré-candidato do PSC), e o Lula será eleito triunfalmente.”