Sem quórum e sem presidente que imponha moral, Câmara encerra sessão uma hora após seu início em Goiânia

Incapaz de impor moral sobre os vereadores, o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Andrey Azeredo (PMDB), encerrou a sessão plenária desta quarta-feira às 10h30, ou seja: uma hora depois do seu início.

Foi uma sessão pouquíssimo produtiva, em que se discutiu uma declaração polêmica da superintendente de Atenção à Saúde Bucal de Goiânia, Luciana Curado, à Comissão de Inquérito (CEI) da Saúde e em que os vereadores Paulo Magalhães (PSD) e Izídio Alves (PR), envergonhados, tentaram explicar porque não assinaram o requerimento de Jorge Kajuru (PRP) que pede a demissão imediata da péssima secretária de Saúde, Fátima Mrué.