Depois de perder a eleição em Anápolis, João Gomes anuncia que está deixando o PT

Anápolis

Em seu Facebook, ex-prefeito de Anápolis anunciou que deixa o PT. “No momento não estarei me filiarei a nenhuma legenda. Primeiro, vamos estudar o nosso projeto, e o que melhor se encaixa na concepção daquilo que queremos para Anápolis”, escreveu o agora ex-petista.

Gomide fala à coluna Giro e confirma que tem a cabeça vazia de ideias: seu objetivo nas eleições de 2018 é “derrotar o governo” e não defender um projeto de futuro para Goiás

Anápolis, Eleições

O vereador e ex-prefeito de Anápolis Antônio Gomide confirma nesta quinta, na coluna Giro, em O Popular, o que o blog 24 Horas sempre viu nele: é um político que tem a cabeça vazia de ideias para Goiás. Gomide defende uma aliança do PT com o PMDB com o objetivo de “derrotar o governo”, só, sem falar em propostas para o Estado e os goianos.

Gomide, que Daniel Vilela quer como vice em 2018, tem uma façanha no currículo: foi candidato a governador (em 2014) sem apresentar uma única ideia para Goiás. Claro, perdeu feio…

Anápolis, Eleições

Antônio Gomide, o petista que Daniel Vilela quer na sua chapa, como candidato a vice, foi massacrado nas urnas em 2014, quando se candidatou a governador com uma campanha em que não apresentou uma única ideia para Goiás e passou o tempo dizendo que a eleição de Dilma Rousseff era o que importava, não a dele. O eleitor entendeu o recado e rejeitou Gomide.

“Operação Resgate” de 100 dias, marketing barato lançado por Roberto Naves para conter o esvaziamento de Anápolis, cai no vazio. Perda de importância diante de Aparecida é irreversível

Anápolis, Aparecida de Goiânia

Ao assumir, o novo prefeito de Anápolis, Roberto Naves, lançou uma “Operação de Resgate”, destinada a recuperar, em 100 dias, o prestígio político e econômico de Anápolis, deteriorado pelos 8 anos de administração do PT. Hoje, ninguém fala mais no assunto: a operação caiu no vazio. A perda de importância de Anápolis, diante de Aparecida, é irreversível.

Prefeito de Anápolis copia João Doria, entra na modinha populista e se veste de agente de trânsito

Anápolis

A ação marqueteira foi amplamente divulgada nas redes sociais e perfis pessoais de Roberto Naves. Dono de um colégio na cidade, Naves venceu a eleição pregando ser o homem da renovação, o tão esperado “novo”. Mas com essas atitudes aí só se enquadra no perfil da velha política. Em Anápolis, o comentário é que como não tem o que mostrar, Roberto está apelando ao marketing barato.

Indicado por Caiado para comandar a secretaria de Trânsito de Anápolis estava com CNH vencida desde 2015 e tinha 125 pontos em multas

Anápolis

Prefeito Roberto Naves escolheu Carlos César de Toledo, conhecido como Cacai, para comandar a Companhia Municipal de Trânsito e Transporte (CMTT) de Anápolis. O jornal O Popular mostrou que o novo secretário estava com a carteira de habilitação vencida desde 2015 e com 125 pontos em multas. Um absurdo sem tamanho.

Lei da mordaça em Anápolis: prefeito Roberto do Órion determina que secretários não deem entrevistas

Anápolis, Imprensa

Está na coluna Giro, de O Popular, nesta terça-feira: o prefeito Roberto Naves determinou que seus secretários não deem entrevistas para a mídia de Anápolis. A ordem vale para qualquer veículo de comunicação da cidade. A lei da mordaça voltou?

Isso é PT: herança sinistra de Gomide e João Gomes, em Anápolis, inclui dívida de R$ 24 milhões desde 2012 com empresa que coleta lixo. Cidade está mergulhada na sujeira

Anápolis

Os dois últimos ex-prefeitos de Anápolis, João Gomes e Antônio Gomide, ambos do PT, deixaram de pagar regularmente, desde 2012, a empresa que coleta o lixo da cidade. Resultado: uma dívida de R$ 24 milhões e Anápolis mergulhada na sujeira. O novo prefeito, Roberto Naves, não sabe o que fazer.

Anápolis com 19 secretarias e Aparecida com 21 são aberrações insustentáveis: São Paulo, por exemplo, tem 22 secretarias; Rio, 12; Curitiba, 12; e BH, 13

Anápolis, Aparecida de Goiânia

As “reformas administrativas” lançadas pelos novos prefeitos Roberto Naves, de Anápolis, e Gustavo Mendanha, mantêm um número excessivo de secretarias, incompatível com a realidade financeira dos municípios brasileiros. São 19 em Anápolis e 21 em Aparecida, número quase igual ao de São Paulo e outras grandes capitais.

Mau começo: novo prefeito de Anápolis se rende ao marketing e lança “Operação Resgaste” para recuperar Anápolis, em 100 dias como a 2ª cidade mais importante de Goiás… posição que já ocupa

Anápolis

O primeiro ato do novo prefeito de Anápolis, o inexperiente professor Roberto do Orion, foi puro marketing: inventou que vai lançar uma “Operação Resgate para, em apenas 100 dias, recuperar a importância de Anápolis como a 2ª cidade de Goiás. Não tem sentido, leitor: a cidade já ocupa esse 2º lugar, com Aparecida nos calcanhares.

E diz que vai fazer “gestão moderna”: prefeito eleito de Anápolis, Roberto do Orion também vai nomear a própria mulher para uma secretaria municipal (Assistência Social)

Anápolis

A “gestão moderna” anunciada pelo prefeito de Anápolis, Roberto do Orion, começa com a nomeação da sua própria mulher, Vivian Cristina Albernaz, para uma vaga na sua esquipe de auxiliares. Ela ocupará a Secretaria de Assistência Social, segundo informa o Diário da Manhã.

Crise no PT de Anápolis: a uma semana de entregar a Prefeitura (quebrada), João Gomes vai se filiar ao PSDB e ocupar cargo na equipe de Marconi

Anápolis

O prefeito em fim de mandato de Anápolis, João Gomes, vai mesmo deixar o PT e se filiar ao PSDB. A decisão é dada como certa pela imprensa anapolina e já foi até comentada pelo ex-prefeito e vereador eleito Antônio Gomide, inventor do poste João Gomes (que vai entregar a Prefeitura quebrada).

Sem nomes de peso, provável equipe de secretários do prefeito eleito Roberto do Órion está aquém do tamanho e importância de Anápolis

Anápolis

É de causar espanto a absoluta ausência de nomes de peso político e experiência administrativa na lista de escolhidos para o provável próximo secretariado da prefeitura de Anápolis, que vazou na internet e que tem sido homeopaticamente confirmada pelo prefeito eleito da cidade, Roberto do Órion (PTB). Confira os nomes.

Derrota em Anápolis tem uma lição para Antônio Gomide: fazer a autocrítica e tentar renascer como um político de mais conteúdo e menos marketing

Anápolis

Essa foto, leitor, mostra Antônio Gomide palestrando em um curso de marketing político, mostrando como ser um prefeito bem sucedido em matéria de comunicação. Só que… não foi o que as urnas de Anápolis mostraram. O candidato de Gomide, João Gomes, que ele avalizava diariamente nos programas eleitorais de TV, acabou perdendo. E Gomide ainda não mostrou que aprendeu a lição das urnas.

O Popular: PT entregará prefeitura de Anápolis com dificuldades financeiras e déficit de R$ 4 milhões/mês

Anápolis, Clipping

Reportagem publicada pelo jornal O Popular desta segunda-feira, véspera de feriado, informa que o prefeito de Anápolis, João Gomes (PT), entregará para o sucessor Roberto do Órion (PTB) uma administração que enfrenta dificuldades financeiras de um déficit mensal de R$ 4 milhões.

Roberto do Orion, prefeito eleito de Anápolis, precisa deixar claro a que veio: suas entrevistas não passam de uma profusão de chavões e palavras de ordem, sem nenhuma ideia

Anápolis, Imprensa

Roberto do Orion, o desconhecido que venceu a eleição para prefeito de Anápolis, tornou-se figurinha carimbada na mídia. Mas o que impressiona é o gosto do rapaz por chavões e lugares-comuns. Roberto do Orion foge como o diabo da cruz da apresentação de ideias e prefere… clichês.

No DM, Ulisses Aesse diz que João Gomes foi considerado “ótimo gestor” e só perdeu a reeleição em Anápolis por causa do antipetismo. Não é bem assim…

Anápolis

Ulisses Aesse, na sua coluna no Diário da Manhã, afirma que João Gomes foi um grande prefeito de Anápolis que só perdeu a reeleição em razão da onda de antipetismo que varre o país. Não é verdade, leitor. O antipetismo existe, sim, mas João Gomes nunca foi um “grande prefeito”, não passando de um gestor medíocre vivendo na sombra de Gomide.

Daniel Vilela, o pé-frio destas eleições, indicou o vice do candidato derrotado a prefeito de Anápolis

Anápolis, Eleições, Goiás

A eleição no município de Anápolis, terceiro maior colégio eleitoral do Estado, consagrou a fama do deputado federal Daniel Vilela (PMDB) como pé-frio. Ele indicou o vice (Eli Rosa) do candidato derrotado João Gomes (PT), que começou a campanha como favorito e perdeu no segundo turno com desvantagem de mais de quatro mil votos.

Urnas de Anápolis elegeram Roberto do Orion e derrotaram João Gomes, certo? Só em parte: na verdade, o grande perdedor é Antonio Gomide. E o PT rola junto ladeira abaixo

Anápolis

Não é o prefeito João Gomes o grande derrotado em Anápolis com a vitória de Roberto do Orion, do PTB. Na verdade, quem perde é Antonio Gomide e seu partido, o PT, que desaparecem do mapa político estadual. Antonio Gomide, que já chegou a se candidatar a governador (2014), virou pó e retorna ao seu antigo status de vereador anapolino.