Voto de Daniel Vilela a favor da emenda do abuso de autoridade foi em “solidariedade” ao pai, Maguito, que processou promotor (que o havia denunciado por improbidade) e perdeu

Aparecida de Goiânia

O ex-prefeito de Aparecida, Maguito Vilela, processou um promotor que entrou com ações de improbidade contra ele, pedindo uma indenização por “estar passando por transtornos” em função das ações. A ação foi arquivada por falta de fundamento, mas explica o voto do deputado federal Daniel Vilela a favor da emenda do abuso de autoridade, que pune juízes e promotores.

“Reforma administrativa” de Gustavo Mendanha manteve 20 secretarias (o dobro do governo do Estado) e criou mais 24 cargos de secretário executivo de R$ 8 mil de salário e 9 assessores especiais de R$ 7 mil

Aparecida de Goiânia

A “reforma administrativa” do novo prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, além de manter uma estrutura inchada com 20 secretarias, ainda criou uma penca de cargos – 33, sendo 24 secretários executivos e 9 assessores especiais – com salários entre R$ 7 e 8 mil.

“Reforma administrativa” de Gustavo Mendanha, em Aparecida, está cheirando mal: uma hora, a economia é de R$ 20 milhões, outra hora de R$ 2 milhões e no DM desta sexta é de R$ 8 milhões

Aparecida de Goiânia

A “reforma administrativa” anunciada pelo prefeito de Aparecida Gustavo Mendanha não exala cheiro bom: o próprio prefeito tem sido contraditório sobre a suposta economia que a redução do número de secretarias de 27 para 20 (que continua grande). A O Popular, Gustavo Mendanha disse que iria poupar R$ 20 milhões nos próximos quatro anos. Depois, baixou para R$ 2 milhões. Nesta sexta, no DM, ele dá novo valor: R$ 8 milhões.

No apagar das luzes do seu mandato, Maguito foi denunciado pelo MP por comprar 5 mil computadores na Primetek, a preços superfaturados, com prejuízo de R$ 2 milhões para a Prefeitura de Aparecida

Aparecida de Goiânia

Uma fraude em 2 pregões, um presencial e outro eletrônico, para direcionar a compra de 5 mil notebooks para a Primetek, empresa que tem lojas em Goiânia, levou o ex-prefeito Maguito Vilela a ser denunciado pelo Ministério Público no apagar das luzes do seu mandato. O MP comprovou superfaturamento que deu prejuízo de exatos R$ 2.137.800,00 à Prefeitura de Aparecida.

Novo secretário de Educação de Aparecida, nomeado por Gustavo Mendanha, foi denunciado pelo MP por manter funcionária fantasma e ainda pagar horas extras a ela

Aparecida de Goiânia

O novo prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, do PMDB, nomeou para Secretaria Municipal de Educação um dentista, sem qualificação na área de ensino, que ainda por cima foi denunciado pelo Ministério Público por improbidade administrativa. Na gestão do ex-prefeito Maguito Vilela, Rodrigo foi secretário de Desenvolvimento Urbano e manteve uma funcionária fantasma em seu gabinete.

Mais uma do Gustavo Mendanha: novo secretário de Educação de Aparecida é dentista, comandava a coleta de lixo e nunca foi sequer professor ou teve qualquer atividade no setor educacional

Aparecida de Goiânia

O novo prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, do PMDB, nomeou um odontólogo – sem qualquer qualificação na área – para a Secretaria Municipal de Educação. Na gestão do ex-prefeito Maguito Vilela, Rodrigo Gonzaga Caldas, o novo secretário, foi o responsável pela coleta de lixo de Aparecida.

Eleitor aparecidense votou para escolher um prefeito e não alguém para capinar lotes baldios ou operar trator para roçar o mato (e ainda por cima desrespeitando as normas de segurança)

Aparecida de Goiânia

Olha a foto, leitor: é o novo prefeito de Aparecida Gustavo Mendanha posando de trabalhador braçal, cortando o mato com uma foice. Isso é retrocesso. O eleitor vota para escolher um gestor e não alguém que busca fazer média com os cidadãos, produzindo factoides. Gustavo Mendanha começou muito mal.

Anápolis com 19 secretarias e Aparecida com 21 são aberrações insustentáveis: São Paulo, por exemplo, tem 22 secretarias; Rio, 12; Curitiba, 12; e BH, 13

Anápolis, Aparecida de Goiânia

As “reformas administrativas” lançadas pelos novos prefeitos Roberto Naves, de Anápolis, e Gustavo Mendanha, mantêm um número excessivo de secretarias, incompatível com a realidade financeira dos municípios brasileiros. São 19 em Anápolis e 21 em Aparecida, número quase igual ao de São Paulo e outras grandes capitais.

Além do show de demagogia e populismo, mau exemplo: prefeito de Aparecida opera trator com pessoas nos para-lamas, em completo desacordo com as normas de segurança para máquinas pesadas

Aparecida de Goiânia

Além do show de populismo e demagogia, mau exemplo: para posar para as câmeras, o prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, operou um trator em desacordo com as normas de segurança, durante a execução de serviços de limpeza e roçagem em um bairro. Esse começou mal e continua mal.

De volta aos velhos tempos da demagogia e do populismo: em Aparecida, Gustavo Mendanha lança “Frente de Limpeza e Roçagem” e posa capinando o mato com a foice na mão

Aparecida de Goiânia

Show de demagogia e populismo do prefeito Gustavo Mendanha, do PMDB, leva Aparecida de volta aos velhos tempos da demagogia e do populismo. Para posar para os fotógrafos “trabalhando”, ele foi para uma tal “Frente de Limpeza e Roçagem” para alguns segundos de foice na mão capinando o mato.

A herança sinistra que Maguito deixou para Gustavo Mendanha: um déficit de 10 mil vagas em Cmeis. Famílias sofrem com descaso

Aparecida de Goiânia

Esse abraço aí na foto, entre Maguito Vilela e Gustavo Mendanha, foi na diplomação do novo prefeito de Aparecida de Goiânia. Maguito ficou 8 anos no comando da cidade e, mesmo pegando o tempo de fartura de recursos federais, não conseguiu diminuir a demanda por vagas em Cmeis. O resultado é que agora existe uma crise enorme. Para este ano, as quase 3 mil vagas foram preenchidas em menos de duas hora e milhares de famílias estão desesperadas porque não têm onde deixar os filhos pequenos.

TV Anhanguera mostra a herança que Maguito deixou na educação infantil de Aparecida: déficit de 10 mil vagas em creches

Aparecida de Goiânia, Imprensa

Bom Dia Goiás, da TV Anhanguera, mostrou o drama que vivido por milhares de famílias de Aparecida de Goiânia: a falta de vagas em Cmeis do município. As inscrições foram abertas e em menos de duas horas as vagas foram preenchidas. O déficit é estimado em 10 mil, sendo que as unidades da cidade oferecem apenas 2,6 mil vagas para crianças.

Site diz que Maguito decidiu “não mais concorrer a cargos públicos”. Só que não é por vontade própria: condenado por 3 desembargadores, por improbidade, ele virou “ficha suja” e está impedido de disputar eleições

Aparecida de Goiânia, Goiás

Maguito Vilela continua apregoando que vai sair da política e voltar a trabalhar como advogado. Só que não é por decisão pessoal, mas por ter sido condenado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Goiás por improbidade administrativa. O ex-prefeito passou a ser “ficha suja” e não pode registrar nenhuma candidatura. Veja os detalhes.

Sem noção: para Gustavo Mendanha, novo prefeito de Aparecida, “inovar e modernizar” é instalar lâmpadas de led, câmeras de segurança e internet em algumas praças

Aparecida de Goiânia

Veja só, leitor: para o novo prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, “inovar e modernizar” a gestão da cidade é instalar lâmpadas de led, câmaras de segurança e disponibilizar internet em algumas praças, tudo isso banalidades do século passado que estão longe de representação inovação e modernização.

“Estou deixando a vida pública. Vou voltar às minhas atividades profissionais como advogado”, reafirma Maguito. Só que ele não tem inscrição na OAB e não pode advogar. E nunca exerceu a advocacia

Aparecida de Goiânia

Maguito Vilela continua com a lorota de que vai deixar a política e voltar a advogar. Na posse do seu sucessor, o poste Gustavo Mendanha, ele insistiu na conversa. Confira, leitor, o que há por trás dessa estória esquisita, pois Maguito não pode advogar porque não é inscrito na OAB, nunca exerceu a profissão e está fora da política, sim, mas porque não pode disputar eleições por ser ficha suja.

O Popular cai no conto do vigário da “reforma administrativa” de Gustavo Mendanha, que faz Aparecida ter o mesmo número (22) de secretarias que São Paulo (maior orçamento do país). Que” enxugamento” é esse?

Aparecida de Goiânia

Que “enxugamento administrativo” é esse da Prefeitura de Aparecida, decretado pelo novo prefeito Gustavo Mendanha, segundo O Popular? A cidade terá 22 secretarias, mesmo número que o município de maior orçamento do país, que é São Paulo. 22 pastas? Só pode ser conto do vigário.

Gustavo Mendanha nomeia a própria mulher, Mayara, para a Secretaria de Assistência Social e mostra que sua gestão começa com o cheiro rançoso de coisa velha

Aparecida de Goiânia

Em uma decisão polêmica e que dá à sua gestão o cheiro rançoso de coisa velha, o novo prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, nomeou a própria mulher, Mayara Mendanha, para o cargo de secretária de Assistência Social. É um mau começo para um prefeito que se diz jovem e de renovação.

Isso é nada vezes nada: “reforma administrativa” de araque anunciada por Gustavo Mendanha, ao tomar posse, reduz as secretarias de 26 para 20. Era muito e continua sendo muito

Aparecida de Goiânia

Uma “reforma administrativa” que não reforma nada foi anunciada pelo novo prefeito de Aparecida, Gustavo Mendanha, do PMDB, ao tomar posse: as secretarias municipais serão reduzidas de 26 para 20. Era uma estrutura administrativa grande desnecessária que vai continuar do mesmo jeito. O governo do Estado tem apenas 10 secretarias.

“Ficha suja”, advogado que não tem inscrição na OAB e que nunca exerceu a profissão, Maguito tem mais um outro problema grave: responde a 10 processos judiciais por improbidade

Aparecida de Goiânia

Maguito Vilela está cercado de problemas na área jurídica: condenado em 2ª instância, com sentença assinada por 3 juízes, ficou incurso na Lei da Ficha Limpa e não pode ser candidato. Além disso, responde a 10 processos por improbidade. Se diz que vai advogar a partir de janeiro, é melhor começar por ele mesmo – mas, como não tem inscrição na OAB, nem isso pode fazer.

Aposentadoria e trabalho como advogado são só desculpas de Maguito: ele não pode mais ser candidato porque foi condenado (por improbidade) por 3 juízes e se transformou em “ficha suja”

Aparecida de Goiânia

Cada vez mais esquisita a conversa de Maguito Vilela de que vai se aposentar e passar a trabalhar como advogado, sem sequer ser inscrito na OAB – condição indispensável para a advocacia. Mas há um segredo: Maguito, condenado pelo Tribunal de Justiça por improbidade, está incurso na Lei da Ficha Limpa e não pode registrar candidatura.