Ganha Tempo, jogada das empresas que Paulo Garcia assumiu, foi criado para tentar manter a tarifa em R$ 3

Em sua edição deste sábado, o jornal O Popular desmascarou o projeto assumido como seu pelo prefeito Paulo Garcia (PT), mas que, na verdade, segundo o jornal, é dos proprietários das empresas de ônibus, que permite aos passageiros do transporte coletivo a utilizar de três ônibus no intervalo duas horas e meia – o sitpass, que é o meio mais utilizado pela população, não dá direito a esse suposto “benefício”.

Mas é muito pior. Na reportagem de O Popular, um dos proprietários de empresa de ônibus, Décio Caetano, revela que foram realmente os empresários que bolaram o tal “Ganha Tempo” e que ele foi dimensionado para que as empresas possam manter a tarifa de R$ 3 – onde estão lançados impostos inexistentes e continua sendo cobrado o PIS e o Confins, que uma Medida Provisória do Governo Federal eliminou há mais de 10 dias.

Décio Caetano não tem o menor pudor em revelar que, segundo pesquisas das empresas de ônibus, apenas 0,1% dos passageiros faz três viagens dentro do período de duas horas e meia.

Para o blog 24 Horas, o Ganha Tempo do prefeito Paulo Garcia é caso de polícia.

 

LEIA MAIS:

Ao anunciar bilhete único, Paulo Garcia colocou a crise do transporte no colo e mostrou que ele não quis reduzir tarifa

Ulisses Aesse: Paulo Garcia não quis baixar preço da tarifa de ônibus em Goiânia

Pelo Face de O Popular, internautas dizem que bilhete único de Paulo Garcia “é mais uma embromação”

Fio Direto: Paulo Garcia já está sendo comparado com ex-governador Alcides Rodrigues

Para não responder sobre aumento da passagem, Paulo Garcia some do twitter

O Popular confirma que “bilhete único” de Paulo Garcia é jogada dos donos de empresas de ônibus

Sitpass não dará direito aos três trajetos em duas horas anunciados por Paulo Garcia

Deboche: Paulo Garcia anuncia bilhete que já existe como “resposta” para crise do transporte coletivo

Solução de Paulo Garcia para crise do transporte coletivo é “esperta” e só ajuda as empresas

Outra do Jorge Braga sobre Paulo Garcia. Só faltou dizer: o pior cego é o que não quer ver