Protestos de rua. Inflação. Estagnação. Dilma, sem rumo, dá dinheiro para compra de eletrodomésticos

A onda de protestos de sacode várias capitais brasileiras, inclusive Goiânia, a partir da reação popular contra o aumento abusivos das tarifas do transporte coletivo, incomoda o PT e causa inquietação na cúpula do Governo Federal.

Há quem veja nas manifestações não apenas a insatisfação da população com o reajuste das tarifas, mas um sentido mais profundo de revolta contra a falta de respostas da administração Dilma Roussef para os principais desafios que pressionam a economia brasileira e despertam a insegurança da sociedade quanto ao rumo que o Brasil está tomando.

A economia brasileira vive hoje o pior dos mundos, combinando inflação com estagnação. A presidente Dilma perdeu do rumo e chegou nesta semana a apelar para o lançamento de um programa para financiar eletrodomésticos para a população de baixa renda, na ânsia de deter a queda de popularidade da sua gestão.

As pesquisas mostram uma redução acentuada na aprovação da presidente, que não tem diálogo nem com a classe política nem com o setor produtivo.

Há um cheiro de chifre queimado no ar.

 

LEIA MAIS:

Em algumas categorias, queda da popularidade de Dilma chega até a 24 pontos

Acendeu o sinal amarelo: aprovação de Dilma cai 8 pontos de março para maio

Vox Populi e Ibope já têm pesquisas mostrando queda na popularidade da presidente Dilma