Seção Cartas dos Leitores do POP virou mesmo Seção de Esclarecimentos do Governo

O blog 24 Horas já comprovou que a Seção de Cartas de O Popular transformou-se em Seção de Cartas de Esclarecimento do Governo de Goiás.

Diariamente, são publicadas cartas de autoridades do Governo de Goiás esclarecendo equívocos, alguns infantis, dos leitores – muitos militantes partidários da oposição.

Neste sábado, tem carta do presidente da Agel, Célio Silveira, rebatendo um leitor e mostrando que não houve doação para a reforma do campo do Goiás, mas sim a aplicação de recursos previstos no Programa Pro-Esporte.

Nesse diapasão, o número de cartas de esclarecimento publicadas é recorde absoluto em termos de jornais de grande importância, no Brasil.

É de se constatar também que a maioria das cartas dos leitores que fazem objeções às ações do Governo do Estado partem de premissas as mais absurdas e revelam desinformação absoluta. E isso na página de opinião, a mais nobre de O Popular.

O show de Paul McCartney é um exemplo. Até hoje, O Popular publica cartas de leitores afirmando que é um absurdo o Governo gastar dinheiro com um evento como esse.

É notório que não houve um centavo de dinheiro público na apresentação do ex-beatle e O Popular, sendo integrante do Grupo Jaime Câmara, que foi um dos patrocinadores do espetáculo, sabe disso.

Mas as cartas continuam saindo. E o Governo continua respondendo, explicando, esclarecendo.

 

LEIA MAIS:

O Popular faz trabalho que MP, omisso, deixou de fazer na crise do transporte coletivo

Seção de Cartas do POP agora é seção de respostas a cartas de militantes partidários

Isanulfo, em carta ao POP, esclarece mais uma vez a diferença entre liberdade de expressão e calúnia

O Popular sai da rotina, muda regra e publica carta quilométrica contra jornalista Armando Acioli

Seção de Cartas do POP vira Seção de Desinformação e Agressão. Nenhum outro grande jornal permite isso

Leitora do Pop diz, de forma agressiva, que governador processa quem critica sua gestão. Não é verdade

Leitor que chamou governador de “corrupto” pode nem existir. É justo usar o espaço para caluniar pessoas?