Waguinho ataca Ministério Público por prisão de Paulo Borges: “ato foi abusivo”

pauloborges
Vereador Paulo Borges: preso na Operação Jeitinho

O deputado estadual licenciado e secretário municipal de Habitação, Wagner Siqueira (PMDB), afirmou hoje que o Ministério Público exagerou ao prender o vereador Paulo Borges (PMDB) no dia 15 de janeiro, quando foi deflagrada a Operação Jeitinho. “Foi um ato abusivo contra um homem de bem. Paulo não oferece perigo a ninguém”. O vereador é suspeito de negociar propina em troca da liberação de licenças ambientais pela prefeitura.

Waguinho foi além. Por antecipação e sem conhecer as evidências reunidas pelo MP, afirmou que paulo Borges é um homem “honesto, honrado”, e que na sua opinião ele é inocente.

O jornalista Cleber Ferreira compartilhou das críticas do deputado licenciado ao Ministério Público e disse que o procedimento utilizado pela Polícia foi desnecessário.

Cleber é o jornalista que foi destacado para censurar o apresentador Paulo Beringhs durante a campanha de 2010, durante o governo Alcides Rodrigues (PP), e que ouviu a célebre frase de Beringhs: “fique com seu emprego que eu fico com a minha dignidade”.