PM goiana foi exemplar nos protestos. Mesmo assim: MP Federal faz média e “orienta” sobre como ela deve agir

Quando se pensa que já se viu de tudo na atual onda de manifestações que varre o Brasil, sempre alguma novidade para surpreender.

É o caso do Ministério Público Federal, seção de Goiás, que, só após o sexto protesto de rua em Goiânia, resolveu se preocupar e expediu uma “recomendação” sobre o comportamento da Polícia Militar nos protestos de rua em Goiânia e no interior do Estado.

Essa bateu todos os recordes em matéria de situações absurdas.

Vale lembrar que a atuação da Polícia Militar nas manifestações em Goiânia e no interior tem sido exemplo para o Brasil. E que, feridos até hoje nos atos de rua, só policiais e nenhum dos participantes.

Mesmo assim, um procurador da República, de nome Ailton Benedito, tem o disparate e a petulância de fazer “recomendações” desprovidas de qualquer lógica e destinadas, claramente, a criar um fato para os holofotes da mídia.

O tal Ailton ainda se dá ao despropósito de fixar prazo de 15 dias para que as autoridades de segurança do Estado respondam às suas “recomendações” e informe se elas estão sendo cumpridas. Como assim, doutor, não tá lendo o noticiário? A PM cometeu algum erro até hoje?

Para com isso, doutor. O pessoal da Segurança ta fazendo tudo certinho em Goiás. O senhor devia era aplaudir.

Veja a nota que saiu agora há pouco no site do MPF-GO, tem cabimento? Veja o título populista que eles puseram, sem mencionar que também defenderam a repressão firme aos atos de vandalismo. (Tamos precisando de uma PEC também para proibir os MP de querer aparecer). Veja que coisa mais absurda:

 

MPF-GO defende liberdade de reunião e de manifestação

Garantir os direitos constitucionais do indivíduo à vida, à liberdade, à segurança, à propriedade, além dos direitos de expressão do pensamento e de reunião. Com esse objetivo o Ministério Público Federal em Goiás (MPF) expediu recomendação ao Governo do Estado de Goiás, para que tome as providências necessárias no sentido de coibir o uso excessivo da força por parte dos policiais e se coíbam atos de violência e vandalismo, perpetrados durante as manifestações sociais.

Nesse sentido, o MPF recomendou ao governo estadual que disponibilize efetivo devidamente identificado e em número adequado ao acompanhamento da realização de manifestações pacíficas nas cidades goianas, nelas não devendo intervir, salvo para preservar a segurança de seus participantes ou conter a prática de infrações penais. Nesse caso, a atuação policial deve incidir somente em relação ao indivíduo que estiver cometendo algum ilícito.

Recomendou ainda que, havendo a necessidade de atuação repressiva da Polícia Militar, sejam observados os meios adequados de contenção, evitando-se o uso de qualquer espécie de armamento (não letal ou letal), salvo em caso de extrema necessidade. Em relação ao armamento letal, que seja evitado o contato direto de manifestantes com policiais militares que o portem, devendo a atuação da polícia ficar limitada à contenção de atos de violência que ensejem risco à integridade física do próprio policial ou de terceiros.

O procurador da República Ailton Benedito fixou o prazo de 15 dias para que sejam prestadas informações sobre o cumprimento da recomendação.

 

LEIA MAIS:

Imagem que fica do protesto é a da polícia distribuindo flores aos manifestantes

Apenas um manifestante foi detido em Goiânia… mas pelos próprios manifestantes. Veja a nota da PM

Em nota oficial, PM diz que 20 mil foram às ruas e que protesto foi pacífico

PM já está distribuindo as “rosas brancas da paz” no Centro de Goiânia

Polícia Militar espalha faixas no Centro com pedido para que protesto desta tarde seja pacífico

Polícia Militar vai distribuir 10 mil rosas brancas, simbolizando a paz, durante o protesto no Centro