“Imprensa nojenta, não me representa”, gritam manifestantes para repórteres da mídia tradicional em Goiânia. Tá ficando grave!

Na manifestação da noite desta segunda-feira, em Goiânia, por várias vezes jornalistas foram atacados, ao coro de “imprensa nojenta, não me representa”.

Carros da TV Anhanguera, de O Popular e da TV Serra Dourada foram depredados. Esta última teve a sua sede apedrejada.

Honório Jacometto, da TV Anhanguera, foi cercado pelos manifestantes e teve de ser resgatado pela Polícia Militar.

Sob pressão e com receio de agressões, os jornalistas do Grupo Jaime Câmara passaram a trabalhar incógnitos, sem portar os logotipos do GJC e da Rede Globo.

Como se vê, os protestos das ruas não têm como alvo somente a classe política e os Governos.

Jornais e TVs, em Goiás, continuam atordoados e não sabem como reagir. Jornalistas também estão perdidos e não sabem o que dizer diante da sua equiparação com o que eles se acostumaram a execrar em suas matérias e reportagens: os políticos.