Nem na ditadura, partido punia membro como Paulo Garcia faz com Djalma Araújo

O Brasil viveu anos tenebrosos na ditadura militar, mas nenhum partido ousou punir um integrante como o prefeito Paulo Garcia faz agora com o vereador e colega de partido, Djalma Araújo.

Por ordem do prefeito, o diretório municipal decretou a Lei do Silêncio ao vereador.

Em outras palavras, cassou a voz de Djalma, que não poderá se pronunciar sobre decisões do prefeito, sob o risco de ser expulso.

Os tempos do AI-5, Ato Institucional da ditadura militar que calava os parlamentares, estão de volta.

Sob os auspícios de um petista, como Paulo Garcia.

Nem Hitler foi tão truculento.