Maguito quer pular fora do passe livre estudantil. E, pasmem, Mauro Rubem apoia

O deputado Mauro Rube (PT) votou contra o projeto do governo que concede o passe livre aos estudantes de Goiânia.

Agora, o prefeito Maguito Vilela (PMDB, Aparecida de Goiânia) não quer dividir o ônus do benefício, conforme ficou acertado em reunião da CDTC com os prefeitos do Entorno da Capital.

E, pasmem, o pior de tudo é a posição do deputado petista.

Pelo Twitter, ele apoiou o prefeito peemedebista e replicou a matéria na qual Maguito tenta melar a concessão do passe livre.

Por essa, ninguém esperava.

 

Pref. de Aparecida ‏@pref_aparecida 5 h

Maguito quer que passe livre estudantil leve em conta realidade de cada município O prefeito Maguito Vilela… http://fb.me/1DBnaywoJ
Retweetado por Deputado Mauro Rubem

Veja a matéria:

Maguito quer que passe livre estudantil leve em conta realidade de cada município

O prefeito Maguito Vilela (PMDB) participou nesta quinta-feira, 11, de reunião com a Câmara Deliberativa do Transporte Coletivo (CDTC), que discutiu melhorias no transporte coletivo. A principal pauta do encontro foi a universalização do passe livre estudantil. As prefeituras de Aparecida de Goiânia e Senador Canedo questionaram alguns aspectos da proposta inicial do governo estadual. “Nós somos totalmente a favor do passe livre estudantil, mas precisamos fazer conta em cima da realidade de cada município”, afirmou Maguito.

Segundo o decreto que institui o passe livre estudantil, assinado pela governador Marconi Perillo (PSDB) no dia 26 de junho deste ano, o Estado arcaria com 50% dos R$ 44 milhões necessários para viabilização do projeto, Prefeitura de Goiânia com 30% deste valor e os 20% restantes seriam rateados entre Aparecida, Senador Canedo, Trindade e outras 16 cidades da região metropolitana de Goiânia.

O principal argumento de Maguito Vilela e do prefeito de Senador Canedo, Misael Oliveira (PDT), é que as Prefeituras não podem arcar com um valor que não equivale ao número de estudantes de cada município. “A renda per capita de Goiânia é o dobro do que a de Aparecida. Esses valores precisam ser discutidos e divididos de forma justa”, ponderou Maguito.

De acordo com o rateio do passe livre, Aparecida arcaria com R$ 440 mil mensais. “Não temos condições de bancar esse valor, sabendo que a cidade tem outras prioridades como saneamento básico, asfalto, unidades de saúde e escolas”, salientou Maguito. O prefeito destacou ainda que a distribuição de impostos no país é desigual e os municípios não possuem recursos suficientes. “A maior parte fica com os governos federal e estadual, por isso preciso ter responsabilidade para com a minha população e destinar nossos recursos para áreas mais importantes como saúde e educação”, pontuou.

Outros assuntos como a retirada das linhas citybus de circulação, estudos para melhorias na frota dos ônibus como implantação de ar-condicionado e câmeras de monitoramento, além de manutenção dos pontos de ônibus, ampliação dos terminais, entre outros, também foram discutidos na reunião, mas sem grandes resoluções. O próximo encontro ficou marcado para 17 de julho (quarta-feira), às 16 horas, na Secretaria da Região Metropolitana.

Também participaram da reunião, o secretário de Desenvolvimento da Região Metropolitana e presidente da Câmara Deliberativa de Transporte Coletivo (CDTC), Eduardo Zaratz; o presidente da Companhia Metropolitana do Transporte Coletivo (CMTC), Ubirajara Abbud; os secretários de Aparecida, Carlos Eduardo de Paula (Fazenda) e Euler de Morais (Governo).