Procurador de Paulo Garcia ironiza, peita juiz e classifica a decisão de “esdrúxula e inovadora”

Carlos de Freitas, procurador-geral da Prefeitura de Goiânia, ironizou a sentença, peitou o juiz Fabiano Abel e classificou a decisão de “esdrúxula e inovadora”.

Ele disse que ainda não foi notificado da decisão e que precisaria conhecer o teor da sentença para se pronunciar, mas de forma contraditória fez comentários sobre o documento sobre o qual ainda não tem conhecimento.

Veja matéria de O Popular:

Procuradoria considera decisão “esdrúxula”

(M. A.) 13 de julho de 2013 (sábado)
O procurador-geral do município, Carlos de Freitas, afirma que a Prefeitura de Goiânia ainda não foi notificada e que ficou sabendo da decisão do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) por meio da imprensa.

Ele diz que é preciso conhecer o conteúdo da sentença antes de se pronunciar, mas adianta que o prefeito vai recorrer da decisão. “Embora não tenhamos tido acesso ao documento, pelo que li em jornais e no site do TJ, acredito que existam incorreções na decisão, aliás, uma decisão inovadora. Aplicar multa 20 vezes o valor da remuneração do prefeito sendo que não houve prejuízo ao erário ou ao patrimônio público, uma vez que a lei não foi aplicada? Parece-me uma situação esdrúxula”, avalia.

 

LEIA MAIS:

Sentença de juiz sobre Paulo Garcia ensina prefeito sobre como deixar um “belíssimo legado às próximas gerações”

O Popular dá em primeira página condenação de Paulo Garcia por improbidade administrativa

Condenação de Paulo Garcia por improbidade continua repercutindo na imprensa. Agora, é o G1, da Globo, que publica a sentença da Justiça

Condenação de Paulo Garcia por improbidade ganha destaque no Terra, site de notícias nacional

Ação sobre Plano Diretor: juiz acata pedido do MP e dá lição de moral em Paulo Garcia

Multa aplicada a Paulo Garcia por não cumprir a lei ao aprovar novo Plano Diretor é de quase R$ 400 mil