Siqueira e Faleiros são protagonistas da mais nova crise no governo do Estado

Depois dos embates entre Jayme Rincon e Giuseppe Vecci e outros (Rincon x Bittencourt, por exemplo), nova briga expõe a equipe do governo do Estado. Dessa vez o bate-boca é público entre José Carlos Siqueira (Controladoria Geral do Estado)  e Antônio Faleiros (Secretaria da Saúde).  O desentendimento vem de longa data por causa das reclamações de Faleiros sobre os entraves burocráticos da CGE. Agora, Siqueira reagiu de público e culpou a SES de ser a responsável pela demora dos procedimentos.

 

Leia matéria do blog de Jarbas Rodrigues:

Siqueira: “Fundão da Saúde não será remédio suficiente

O secretário estadual José Carlos Siqueira (Controladoria) afirma que o Fundo Estadual da Saúde não resolverá todos os problemas da área que, segundo ele, decorrem de fragilidades da Secretaria da Saúde. “Cabe lembrar que a dificuldade das licitações da Saúde decorrem de fragilidades da própria secretaria e que, para elas, o Fundão não será remédio suficiente. A Controladoria Geral do Estado jamais atrasou licitações adequadas à lei”, disse Siqueira ao blog.

O motivo da sua crítica é por conta do comentário do secretário estadual Antônio Faleiros (Saúde) ao comemorar o anúcio do governador Marconi Perillo (PSDB) hoje, na visita ao Hospital Crer, de que assinou o decreto que regulamenta a criação do Fundo Estadual da Saúde, que receberá neste ano R$ 1,4 bilhão, em parcelas mensais de 12% da receita do Estado.

“Além de garantir os repasses, vamos agilizar muito as licitações da pasta, como para compra de medicamentos, por exemplo”, diz. Uma das maiores reclamações de Faleiros sempre foi com a burocracia no governo, em que uma licitação poderia demorar mais de 12 meses. Com o Fundo da Saúde, frisou, sua pasta não precisará mais passar pelo controle prévio da Controladoria Geral do Estado.

Na solenidade, Marconi Perillo disse que a criação do fundo só foi possível porque o governo “está com suas finanças equilibradas, fez os ajustes necessários e tem um orçamento equilibrado.”