Fórum Empresarial apoia medidas do governo contra Covid-19

O Fórum das Entidades Empresariais do Estado de Goiás (FEE), por meio de nota oficial, apoia a decisão do Governo do Estado em suspender as comemorações do Carnaval, com objetivo de retardar a velocidade de propagação da segunda onda do Coronavírus que atingiu o Brasil. “Reconhecemos que a ação do governo é pautada pela ciência, pelas orientações dos profissionais da saúde e pela experiência dos países que já enfrentaram etapas mais duras da pandemia. Ao mesmo tempo, entendemos que não há conflito entre a manutenção da saúde e a proteção da economia goiana”, afirma.

Confira a nota na íntegra:

“O Fórum das Entidades Empresariais do Estado de Goiás (FEE) reconhece a importância das medidas adotadas pelo Governo do Estado, com objetivo de retardar a velocidade de propagação da segunda onda do Coronavírus que atingiu o Brasil. Neste momento é fundamental a iniciativa de suspender as comemorações de carnaval, assim como a não concessão de ponto facultativo nesta data e a mútua colaboração das entidades sindicais patronais e laborais, visando a substituição de feriados que foram aprovados em Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho, possibilitando a manutenção das atividades empresariais neste período, única forma de mitigar os impactos causados pela doença.

Reconhecemos que a ação do governo é pautada pela ciência, pelas orientações dos profissionais da saúde e pela experiência dos países que já enfrentaram etapas mais duras da pandemia. Ao mesmo tempo, entendemos que não há conflito entre a manutenção da saúde e a proteção da economia goiana.

As empresas goianas estão empenhadas no cumprimento de forma irrestrita das recomendações sanitárias, como a prática de higienização das mãos com água, sabão e álcool em gel, uso de máscara e distanciamento, visando a saúde dos colaboradores e clientes, cônscios de que é a única forma de preservação das atividades econômicas e dos empregos.

A crise na saúde pública, com severos e inéditos efeitos sobre a atividade econômica, exige diálogo e a união de todos. Quanto mais fortes forem esses elos, mais cedo estabeleceremos a normalidade.

Com todos fazendo sua parte, venceremos a guerra contra a doença!”