Fieg + Solidária alcança marca de 200 instituições atendidas

A Fieg + Solidária alcançou, na última segunda-feira (1º/02), 200 instituições atendidas, as quais integram rede de voluntariado social responsável por distribuir alimentos a famílias carentes, com situação de vulnerabilidade social agravada com a pandemia da Covid-19. Em mais uma rodada de doações às instituições filantrópicas, a presidente do projeto de responsabilidade social da Federação, Raquel Ribeiro, agradeceu a empresários goianos, sindicatos, mineradoras, unidades do Sesi e Senai, todos que de alguma forma contribuíram com a Fieg + Solidária.

Desta vez, foram atendidas as entidades Projeto Missionário Amparando Vidas, Instituto Rede Solidária Berço das Águas (IRBS), 16ª Igreja Presbiteriana Renovada de Goiânia e Igreja Evangélica Assembleia de Deus, que receberam cestas básicas, caixas de bolacha, refrigerantes e fardos de açúcar e milho.

“Nós alcançamos o número de 200 instituições beneficiadas. Isso quer dizer que a gente conseguiu alcançar milhares de famílias num grau de pobreza muito extremo. Nosso compromisso é continuar com esse trabalho, pois temos uma responsabilidade sobre a vida de todas essas pessoas. Que possamos continuar de mãos dadas fortalecendo cada vez mais, em fé, oração e atitude. E eu continuo contando com a contribuição de cada um de vocês”, reiterou Raquel Ribeiro.

O pastor Márcio Fernando Sousa Soares, da 16ª Igreja Presbiteriana Renovada de Goiânia, explicou sobre o projeto social desenvolvido. “Nós temos um projeto social chamado projeto Amar Mais, em que nós ajudamos famílias carentes de nossa região. Eu quero agradecer a todos que nos ajudaram nesse projeto. Nós cremos que essas pessoas serão ricamente abençoadas por esse alimento, nesse momento tão importante”, disse.

Segundo Roberto Lopes, da Igreja Evangélica Assembleia de Deus (Setor Bueno), as doações recebidas da Fieg + Solidária serão destinadas para cerca de 60 famílias, todas em situação de vulnerabilidade social.

A voluntária do Instituto Rede Solidária Berço das Águas, Maria Odília Rogado da Silva, explicou que mais de 40 grupos de autônomos, artesãos e feirantes perderam o trabalho com a pandemia do novo coronavírus. “A cesta vem para ajudar na alimentação de muitos que ficaram sem renda nenhuma”.