Meirelles quer ser governador depois de renunciar a mandato de deputado federal e nunca ter feito nada por Goiás

Como um velho filme já visto repetidamente pelos goianos, o dinheirista Henrique Meirelles de novo se insinua à sucessão estadual de 2022, filiando-se ao PSD pelas mãos do senador Vanderlan Cardoso.

Ex-ministro e atual secretário em São Paulo, Meirelles posou de candidato a governador em 2002, mas acabou se elegendo a peso de ouro para deputado federal pelo PSDB, quando renunciou sem sequer assumir o mandato conferido nas urnas pelos goianos para ocupar cargo no governo petista de Lula.

A fama de bom gestor de Meirelles não é a mesma na seara política. Como um ioiô destrambelhado, ele saltita por legendas políticas sem mostrar coerência alguma nos seus movimentos.

Foi presidente do BC na gestão do PT, ministro da Fazenda do emedebista Michel Temer, candidato derrotado com pífia votação para presidente da República pelo MDB e agora serve ao governador tucano de São Paulo, João Doria, com a mesma cara.

Ele se alterna em siglas partidárias – PSDB, PSD, MDB e novamente o PSD de Gilberto Kassab – como troca de finas camisas brancas engomadas com o monograma HM no bolso.

Agora, sem espaço no cenário nacional, Meirelles mais uma vez volta os olhos de oportunista profissional para Goiás com a conversa manjada de ter o sonho de governar o estado.

Ora, o ex-banqueiro não tem legitimidade alguma para disputar cargo majoritário em Goiás.

Primeiro, porque nunca fez absolutamente nada pelo estado nos altos cargos pelos quais passou na República.

Depois, porque os goianos não têm garantia alguma de que, se eleito, vai cumprir um eventual mandato, como, aliás, já não cumpriu o de deputado federal.

Ou seja, para Goiás, Meirelles e risco n’água são a mesma coisa.

E mais ainda: para se aventurar novamente em Goiás, Meirelles se alia a outro político também conhecido pela incontinência político-partidária – o senador Vanderlan Cardoso, cuja ficha corrida aponta nove mudanças de partido.

Pior companhia não poderia existir: Vanderlan tem histórico de político que não agrega e age sempre de acordo com interesses próprios.

O paraquedista Meirelles é goiano de nascimento, mas, em última análise, não tem nada a ver com Goiás.

Melhor que vá cantar em outra freguesia.