Juiz manda prender “Barbie do crime” por não cumprir pena de prestação de serviços

A Justiça de Goiás decretou, na última semana, a prisão da golpista Bruna Cristine Menezes de Castro, condenada por golpes nas redes sociais. Conhecida como ‘Barbie do crime’, a modelo vendia produtos importados na internet, mas não enviava as mercadorias aos clientes.

A vigarista foi condenada em 2015 a mais de dois anos de reclusão, mas teve a pena convertida em prestação de serviços à comunidade. A sentenciada, no entanto, não cumpriu a pena e não compareceu às audiências. Em uma das justificativas para o não aparecimento, a ré informou que estava com Covid-19.

Na decisão, o juiz Wilson da Silva Dias, da Vara de Execução de Penas e Medidas Alternativas de Goiânia, explicou que Bruna encontra-se em siruação irregular”, uma vez que, desde 2017, não cumpre a pena determinada – prestação de serviços e pagamento de dez salários mínimos -, “achando-se, talvez, estar acima da lei”.

Segundo o magistrado, a sentenciada não realizou nenhuma hora da prestação de serviço à comunidade. Além disso, ele ressaltou que a tentativa de localização da ré não teve êxito, em razão de diversas mudanças de domicílio realizadas sem a devida comunicação ao juízo.