Fieg discute com Virmondes Cruvinel projeto do Fórum Permanente da Mineração

A Câmara Setorial da Mineração (Casmin) da Fieg realizou a primeira reunião do colegiado em 2021 com a participação do deputado estadual Virmondes Cruvinel (Cidadania). O encontro, realizado por videoconferência nesta quarta-feira (03/03), contou com a participação dos conselheiros representantes do setor e debateu o projeto de lei que propõe a criação do Fórum Permanente da Mineração do Estado de Goiás.

A iniciativa, liderada por Virmondes Cruvinel na Assembleia Legislativa, busca fortalecer a cadeia produtiva e contribuir com o desenvolvimento planejado e sustentável da atividade. De acordo com levantamento técnico da Fieg, a mineração gera cerca de 175 mil empregos diretos e indiretos no Estado, movimentando R$ 180 milhões em salários pagos aos profissionais do setor. Para cada emprego direto gerado na mineração, são criados pelo menos outros 14 postos de trabalho na cadeia produtiva.

“Queremos ouvir dos representantes das indústrias as principais demandas do setor para que possamos avançar com essa importante agenda positiva no Estado”, disse o parlamentar, ao reconhecer que Goiás tem forte vocação mineral, mas que precisa avançar na desburocratização que trava a chegada de novos investimentos.

O presidente da Casmin/Fieg, Wilson Borges, parabenizou o deputado pela iniciativa e reforçou que a atividade mineral é a responsável pela produção e distribuição de matérias-primas para o setor primário e secundário da economia. “A mineração é a indústria das indústrias e está presente em praticamente tudo em nossas vidas”.

Também presente na reunião, o presidente do Sindicato das Indústrias Extrativas do Estado de Goiás e do Distrito Federal (Sieeg-DF), Luiz Antônio Vessani, alertou que Goiás já foi o terceiro polo mineral do Brasil, mas foi fortemente ultrapassado pela Bahia. Para ele, segurança jurídica e melhor ambiente de negócios são fundamentais para que a atividade no Estado possa avançar e reconquistar o protagonismo nacional.

“Precisamos enxergar a atividade com o olhar de que o setor pode contribuir imensamente com o desenvolvimento socioeconômico goiano. É fundamental intensificar a interlocução com o Estado. Temos um enorme potencial, mas que é travado pela burocracia”, avaliou Vessani.

No encontro, foram apresentadas propostas para discussão no Fórum Permanente da Mineração. Dentre as ações, estão o levantamento dos municípios com potencial para mineração, com objetivo de avançar com projetos do setor apoiados pela gestões municipais; apresentação de estudo do potencial de desenvolvimento que o setor pode oferecer ao Estado, sobretudo na geração de emprego e renda para a população; e benchmarking das boas práticas implantadas na Bahia para incremento da atividade produtiva.