Governo de Goiás anuncia compra de 250 mil cestas básicas e R$ 28 milhões para ações sociais nos 246 municípios

Nova etapa da Campanha de Combate à Propagação do Coronavírus engloba iniciativas do Gabinete de Políticas Sociais (GPS), Organização das Voluntárias de Goiás (OVG) e Secretaria de Desenvolvimento Social (Seds). Haverá, ainda, entrega de 200 mil máscaras N 95 aos usuários do transporte coletivo da região Metropolitana de Goiânia e aumento no número de refeições servidas pelo Restaurante do Bem nas 13 unidades do Estado

O Governo do Estado, por meio do Gabinete de Políticas Sociais (GPS) e Organização das Voluntárias de Goiás (OVG), lança uma nova etapa da Campanha de Combate à Propagação do Coronavírus. A ação contemplará os 246 municípios goianos com a distribuição de 250 mil cestas básicas para famílias em situação de vulnerabilidade social, que serão adquiridas pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Seds). Haverá, ainda, entrega de 200 mil máscaras N 95 aos usuários do transporte coletivo da região Metropolitana de Goiânia e aumento no número de refeições servidas pelo Restaurante do Bem nas 13 unidades do Estado. Além disso, será mantida a distribuição de 150 toneladas de frutas e verduras pelo Banco de Alimentos da OVG, beneficiando 500 famílias por mês.

Nesta etapa, empresas, entidades de classe e a sociedade civil também poderão contribuir com a campanha. As doações deverão ser feitas pela Plataforma do Voluntariado (http://www.ovg.org.br/voluntariado/) ou por meio de depósito bancário no Banco Bradesco-237, Agência: 0244, Conta Corrente: 45059-6, Razão Social: Organização das Voluntárias de Goiás, CNPJ: 02.106.664/001-6.

250 mil cestas básicas
O governador Ronaldo Caiado autorizou a compra de mais de R$ 20 milhões em cestas básicas a serem distribuídas em todos os 246 municípios do Estado de Goiás, bem como assentamentos rurais e comunidades quilombolas. O recurso, suficiente para a aquisição de cerca de 250 mil cestas básicas, tem origem no tesouro estadual, via Fundo Protege. A medida visa garantir a segurança alimentar da população mais vulnerável diante do agravamento da pandemia da Covid-19.

De acordo com a coordenadora do Gabinete de Políticas Sociais e presidente de honra da OVG, primeira-dama Gracinha Caiado, a grave situação da pandemia no País reforça a preocupação com as desproteções sociais.

“Vivemos hoje o momento mais difícil da pandemia no Brasil e os gestores precisam tomar medidas para impedir a disseminação do vírus e proteger as famílias, em especial aquelas em situação de vulnerabilidade. Desde o primeiro momento dessa pandemia, a segurança alimentar foi uma preocupação do governador Ronaldo Caiado. Mantivemos os Restaurantes do Bem e o Banco de Alimentos em pleno funcionamento; a Secretaria de Educação retomou no mês passado a entrega dos kits alimentação a todos os 510 mil alunos da rede e, agora, teremos mais cestas básicas para levar a todos os municípios. É a responsabilidade do governador com o povo goiano, salvando vidas e amparando aqueles que mais precisam”, explica.

Esta nova etapa da Campanha de Combate à Propagação do Coronavírus seguirá os moldes da campanha realizada em 2020, quando foram distribuídas mais de 500 mil cestas básicas em todo o Estado, de casa em casa, sem causar aglomeração e seguindo os cuidados para evitar a proliferação do vírus.

A distribuição de cestas básicas é organizada pelo GPS e OVG, com o apoio das forças de segurança do Estado, da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Secretaria de Esporte e Lazer, e prefeituras municipais.

R$ 28 milhões aos municípios
O governador Ronaldo Caiado também autorizou a liberação de R$ 28 milhões para o cofinanciamento estadual para o Sistema Único de Assistência Social (Suas). Esse recurso poderá ser usado pelos municípios para execução de ações socioassistenciais e de estruturação da rede Suas durante a pandemia da Covid-19. O Cofinanciamento Estadual do Suas é efetivado por meio do Fundo Estadual da Assistência Social (Feas).

A Comissão Intergestores Bipartite (CIB) decidiu pela repactuação do recurso para que ele possa ser utilizado pelas prefeituras no exercício financeiro de 2021. Após a aprovação dessa mudança pelo Conselho Estadual de Assistência Social, o recurso poderá ser liberado pelo governo do Estado.