Veja on line publica notícia sobre bloqueio e bens de Alcides com destaque. Só o Pop que escondeu a condenação

Mais um meio de comunicação nacional dá destaque ao bloqueio de bens do ex-governador Alcides Rodrigues, o Cidim, por improbidade administrativa por causa do uso de aeronaves do Estado para voos particulares.

Agora é o site da Veja que noticia a sentença. A chamada está na capa do portal.

Antes, Diário da Manhã e O Hoje deram informação como manchetes de capa de suas edições da última quarta-feira.

O único veículo a esconder a notícia foi O Popular, que não deu nem uma mínima chamadinha na primeira página e reduziu o texto a um canto de página interna.

Veja a reportagem de Veja:

 

Justiça bloqueia bens de ex-governador de Goiás por voos irregulares

Alcides Rodrigues (PP), de Goiás, fez 750 deslocamentos em aeronaves do estado para fins particulares. Custo foi de 3,8 milhões de reais

Gabriel Castro, de Brasília
O Tribunal de Justiça de Goiás bloqueou parte dos bens do ex-governador Alcides Rodrigues (PP) e da mulher dele, Raquel Rodrigues. O casal responde judicialmente por ter usado um avião do governo do estado para fazer viagens particulares. O Ministério Público pede ressarcimento de 3,8 milhões de reais (a soma dos custos das viagens) aos cofres estaduais. Enquanto não profere a sentença definitiva, a Justiça estabeleceu o congelamento do mesmo valor em bens.
Cruzando a agenda oficial do então governador com os relatórios de voos, o Ministério Público de Goiás constatou que a maior parte dos deslocamentos feitos em aeronaves do governo por Alcides Rodrigues e a então primeira-dama tiveram fins particulares.

Entre abril de 2006 e dezembro de 2010, o casal fez 1.348 voos. Mais da metade deles, 750, se deram fora da agenda oficial. A mulher do governador foi a única passageira em 278 deslocamentos.

Para os promotores, Rodrigues “aproveitou-se das regalias oferecidas pelo cargo de governador e utilizou indevidamente as aeronaves do estado de Goiás para fazer diversas viagens particulares, principalmente para as cidades onde possui fazendas”. Boa parte dos voos do casal teve como destino a cidade de Santa Helena de Goiás, onde Raquel foi prefeita e Alcides é dono de propriedades rurais.

“Além da existência de prova suficiente quanto à lesividade do ato, poderão os requeridos dilapidar o seu patrimônio, objetivando a se furtarem de um possível e futuro ressarcimento ao erário”, disse a juíza Zilmente Gomide da Silva Manzoli, na decisão que congelou os bens.

No processo, os réus argumentaram que os voos não significam descumprimento das normas de improbidade administrativa.

A situação se assemelha à do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral. Como mostrou VEJA, ele utiliza helicópteros do estado para passar fins de semana em Mangaratiba, no litoral.