Em editorial, O Popular cobra fim dos supersalários da Comurg: “É falta de respeito com os cidadãos”

Em editorial em linguagem dura, neste sábado, o jornal O Popular cobra uma imediata solução para o escândalo dos supersalários que a Comurg paga a um grupo de funcionários municipais.

O texto faz críticas diretas ao prefeito Paulo Garcia (PT), ao afirmar que o caso foi gerado por “administradores pouco preocupados com a saúde financeira das instituições” e, mais grave ainda, “desprovidos de respeito pelos recursos advindos dos impostos pagos pelo cidadão”.

O caso dos supersalários foi denunciado pelo próprio jornal O Popular, em manchete há cerca de 10 dias. O prefeito Paulo Garcia prometeu, mas ainda não tomou nenhuma providência a respeito.

Veja o editorial de O Popular:

 

Supersalários

É dever das autoridades de Goiânia e do Ministério Público aprofundar as investigações acerca das remunerações extraordinárias, reveladas em reportagens exclusivas deste jornal na semana passada, auferidas por alguns servidores municipais lotados na Comurg.

Os acordos trabalhistas com cláusulas generosas, estabelecidos em convenções sindicais, exibem privilégios em tons de legalidade e não escondem flagrantes matizes de imoralidade.

A consolidação de benefícios negociados entre partes movidas por interesses comuns e distantes dos paradigmas básicos de gestão, leva a situações como essas, ilegítimas e que só podem ser suportadas por administradores pouco preocupados com a saúde financeira das instituições e, pior, desprovidos de respeito pelos recursos advindos dos impostos pagos pelo cidadão.

A Lei de Acesso à Informação (LAI) proporcionou à população conhecer uma série de ocorrências exóticas no ambiente dos poderes governamentais, nos mais diversos setores, mas no âmbito das folhas salariais de órgãos públicos foi que se verificaram situações que beiram o absurdo.

Espera-se que a apuração dessas distorções evolua com a identificação dos agentes causadores e sejam promovidas as iniciativas legais que possibilitem a cobrança das responsabilidades.