Marina diz, em site, que trânsito da Capital está melhorando. Precisa ficar menos em Brasília e mais em Goiânia, deputada

Texto publicado no site da deputada federal Marina Sant’Anna (PT) relata avanços substanciais em uma cidade onde o trânsito goza de relativa paz e as diretrizes de mobilidade urbana são levadas à sério.

Parece mentira, mas a deputada fala de Goiânia. Pode acreditar.

O texto, produzido pelo assessor Cláudio Marques, é um apanhado de informações repassadas pela Secretaria Municipal de Trânsito (SMT) que foi transcrito sem nenhum senso crítico.

Pode ter sido ingenuidade de quem fica muito tempo em Brasília e pouco em Goiânia: esse mar de rosas desenhado pela SMT e pela prefeitura não existe, cara deputada.

O release começa falando das ciclovias, que segundo reportagem de O Popular já estão se deteriorando (veja reportagem aqui). Tem mais: só uma ciclovia foi construída. E as outras que o prefeito prometeu? Quando sairão do papel?

A deputada menciona programas de educação no trânsito que, segundo ela, estão sendo desenvolvidos. Cita um tal “Vida no Trânsito”. “Em defesa da redução da violência nas ruas da capital, prefeitura tem convocado órgãos públicos para discutir ações do Programa Vida no Trânsito, em Goiânia”.

É piada, né?

O que a deputada tem a dizer do projeto de autoria do Executivo aprovado na Câmara que tira, da prefeitura, a obrigação de exigir estudo de impacto de trânsito para todo empreendimento novo que for construído na Capital?

Marina poderia dizer, por exemplo, o que ela acha que vai acontecer com o trânsito na Perimetral Norte quando o Shopping Passeio das Águas for inaugurado. Ou que vai acontecer com a Avenida Mutirão (principalmente no horário de pico) quando ficar pronto o megaedifício Órion, com centenas de consultórios médicos, leitos hospitalares, restaurantes e hoteis em um lugar só.

Tem que ter senso crítico. Uma deputada federal não pode copiar e colar um monte de informações vazias da SMT só porque ela é do mesmo partido do prefeito.

Será que é isso que os eleitores esperam de Marina?