Ciclistas afirmam que ciclovia construída por Paulo Garcia na T-63 não é segura

O jornal Folha Z ouviu ciclistas e eles apontaram diversas falhas no projeto da ciclovia que está sendo construída na avenida T-63.

Veja a matéria:

Alguns questionam a segurança do trajeto e a demora na entrega da obra. Prefeitura informou que projeto será entregue em agosto e que ciclovia será totalmente sinalizada.

A construção da ciclovia ao longo da Avenida T-63 tem gerado polêmica entre os usuários de bicicleta na capital. Em fase de obras, o projeto faz parte da construção de 100 km de ciclovias em Goiânia, conforme prometido pela prefeitura da cidade.

Segurança

O problema, segundo os ciclistas, é que além da demora na entrega da obra, a ciclovia, de acordo com alguns, deixa a desejar no que se refere à segurança dos usuários. “Muito estreita, não cabe dois ciclistas sequer. Teremos de andar em fila e se estivermos com pressa será impossível ultrapassar”, argumenta o corretor Ronaldo Peixoto.

Para o professor de Educação Física Rodrigo Sergipe, que, na maioria das vezes, se locomove com a bicicleta, a iniciativa é interessante, pois, segundo ele, a cidade carece de mecanismos que minimizem o fluxo de carros, além de ser um pontapé para que as pessoas evitem ao máximo o uso do automóvel.

Mas ele também questiona a demora na conclusão da obra, a segurança do local e o itinerário. “Parece que ela sai do nada e vai para o nada também. Achei muito fraquinha, estreita e mal elaborada, mas antes isso do que andar em meio aos carros”, dispara.

Trajeto

A assessoria de imprensa da prefeitura de Goiânia argumenta que a ciclovia tem um trajeto bem definido, que é ligar o Parque Anhanguera, na altura da Praça Félix de Bulhões até o Terminal Isidória, no Setor Pedro Ludovico. A assessoria disse também que as obras ficaram paralisadas por um tempo porque estavam em fase de licitação, mas já foram retomadas e deverão ser entregues ainda este mês.

De acordo com o órgão, o projeto de ciclovia na T-63 terá um trajeto de 7,15 quilômetros de extensão e será totalmente segura, bem sinalizada, com tratamento urbanístico no canteiro central e iluminação pública. Segundo a assessoria, para reforçar ainda mais a segurança e garantir a acessibilidade todas as calçadas terão guias rebaixadas.