Com passe valorizado pelo partido, Júnior Friboi humilha Iris e o PMDB goiano

Júnior Friboi não tem voto, mas tem os bovinodólares. Isso deixa o PMDB com a cabeça virada, principalmente os candidatos a deputado estadual e federal. Friboi no PMDB é esperança de uma campanha irrigada a muito dinheiro, para felicidade geral de todos.

Com este pensamento, peemedebistas foram à caça de Friboi, tentando filiá-lo ao partido.

Conhecido pelas suas declarações desastradas e inexperiente na politica, Friboi protagoniza mais uma trapalhada. Desta vez, em declaração ao colunista Jarbas Rodrigues Giro/O Popular, o bilionário humilhou o PMDB e o cacique-mor da legenda, o ex-prefeito Iris Rezende. Com o passe valorizado pela cobiça peemedebistas, Friboi põe banca e diz querer comandar a boiada peemedebista, caso decida filiar-se ao partido. Ele impôs como condição liderar a oposição e ser o candidato ao governo no lugar de Iris. DE mais: sobre Iris, disse que as três derrotas do velho cacique desestimulam o Palácio do Planalto a apoia-lo, como aconteceu em 2010, em detrimento a Henrique Meirelles. Maior humilhação ao PMDB velho de guerra e a Iris, impossível.

Quem conhece Iris sabe que a soberba de Friboi não ficará sem resposta.

 

Veja a nota publicada no Giro:

Júnior do Friboi impõe condição ao PMDB: liderar oposição em 2014

O empresário José Batista Júnior (PSB), conhecido como Júnior do Friboi, tem conversado muito com deputados e prefeitos do PMDB sobre sua mudança para o partido. Os deputados afirmam que sua filiação, agora, é incentivada pela cúpula nacional do PMDB. O empresário, que se mostrava resistente, admite a ideia, mas com a garantia de ser candidato a governador. Ele acredita que o momento é diferente do de 2010, quando Henrique Meirelles foi para o PMDB para ser candidato ao governo, mas foi preterido pela candidatura de Iris Rezende. O que teria mudado? Segundo tem dito Júnior, as três derrotas de Iris para o governador Marconi Perillo (PSDB) desestimulam o Palácio do Planalto a apoiar o peemedebista novamente. O empresário frisa que sua decisão será tomada apenas entre agosto e setembro e que não descarta construir uma aliança com o deputado Ronaldo Caiado (DEM), Vanderlan Cardoso (PSC) e outros partidos.