O Popular faz cobertura discreta da Operação Miquéias, bem diferente do estardalhaço que fez com a Monte Carlo

O jornal O Popular, o mais importante de Goiás, optou por uma cobertura pra lá de discreta sobre a Operação Miquéias, que desbaratou uma quadrilha que desviava recursos de fundos municipais de pensão e envolveu políticos goianos do PMDB.

Ao contrário da Operação Monte Carlo, que ganhou total estardalhaço nas manchetes de O Popular, a Operação Miquéias apresenta crimes que foram efetivados e gravações telefônicas com os políticos envolvidos. Na Monte Carlo, não se documentou a realização de nenhum negócio nem surgiram grampos mostrando conversas entre os políticos supostamente envolvidos e o esquema comandado pelo empresário Carlos Cachoeira.

Na Operação Miquéias, estão envolvidos dois deputados estaduais (Daniel Vilela e Samuel Belchior, este presidente estadual do PMDB) e um federal (Leandro Vilela, também do PMDB, primo de Daniel). Prefeituras importantes como a de Aparecida, a de Catalão, a de Itaberaí e a de Pires do Rio aparecem, em meio a farta documentação, com negócios concretizados com a quadrilha.

Samuel Belchior é acusado pela Polícia Federal de integrar a “estrutura da organização criminosa” e teve a sua prisão temporária pedida pela Polícia Federal. A Justiça não concedeu e autorizou somente a sua condução coercitiva à sede da PF, para prestar depoimento.

Mesmo assim, O Popular parece não ter se interessado pelo assunto e não fez até agora nenhuma revelação jornalística sobre a Operação Miquéias nem sequer publicando a foto batida por agentes federais de um almoço realizado em Brasília, com a presença da operadora Luciane Hoepers, Samuel Belchior, Leandro e Daniel Vilela.

Um leitor que só tenha atenção para O Popular não sabe o que está acontecendo em Goiás.