Em O Popular, Taveirão defende cortes na máquina para manter equilíbrio financeiro do Estado

Em Economia, O Popular informa que, uma semana após sua posse, o novo secretário da Fazenda, José Taveira, defendeu ontem a diminuição da máquina estatal como forma de atingir o equilíbrio financeiro do Estado. A defesa foi feita durante o lançamento da terceira edição do programa Recuperar, que visa arrecadar R$ 160 milhões de tributos em atraso até dezembro. Taveira avaliou que o Estado tem hoje “dinheiro fácil para investir”, por conta dos empréstimos feitos junto ao Banco do Brasil, Caixa Econômica e BNDES, mas dinheiro escasso para custeio. “Estamos à procura de recursos extras, por meio de programas como o Recuperar, para que o governo amplie seu atendimento.”

De acordo com a reportagem, o novo secretário da Fazenda ainda destacou que como presidente do Detran-GO (cargo que ocupava antes de assumir a Sefaz), participou de reuniões da equipe econômica do governo para a avaliar a situação financeira do Estado, a convite do governador Marconi Perillo (PSDB), onde os cortes da estrutura eram citados. “Um dos pontos levantados é o tamanho da base estatal. Acho que devemos fazer uma fusão de alguns órgãos. Estrutura enxuta tem folha mais enxuta”, afirmou. Esta mesma tese foi defendida pelo ex-secretário Simão Cirineu, em 2 anos e 9 meses à frente da Sefaz. Dados da Segplan, divulgados em 2012, revelam que dos 40 órgão do Estado, 17 têm em seus quadros mais comissionados do que servidores efetivos.