Caio, ex-assessor de imprensa de Samuel, diz no Giro que o deputado foi “citado” na Operação Miquéias. Não, Caio, ele foi indiciado

Ex-assessor de imprensa do deputado Samuel Belchior, o titular interino da coluna Giro, de O Popular, continua facilitando a vida do deputado estadual e presidente regional do PMDB goiano, Samuel Belchior.

Neste sábado, Caio escorrega de novo e diz na coluna que Samuel foi “citado” no inquérito da Polícia Federal, no curso da Operação Miquéias, que apura as atividades de uma quadrilha que desviava recursos de fundos de pensão municipais.

Parece até piada. E sem falar que não é verdade. A situação de Samuel é muito pior que uma simples “citação”.

Samuel Belchior foi indiciado pela PF como membro da organização criminosa desbaratada. O inquérito afirma – isso mesmo: afirma – que o deputado “é lobista e intermediário da quadrilha junto a políticos do seu Estado”.

O inquérito pede a prisão temporária de Samuel Belchior (o Judiciário não deu, preferindo apenas autorizar que sua casa fosse vasculhada e que ele fosse conduzido coercitivamente à sede da PF para depor) e indicia o deputado pela prática dos crimes de formação de quadrilha e tráfico de influência.

Segundo diz o bondoso Caio Salgado na coluna Giro, lembrando mais uma vez, ex-assessor de imprensa de Samuel, isso corresponde apenas a uma “citação”.