Apensos da Operação Miqueias vão trazer novos grampos e revelações muito mais explosivas contra o PMDB

O inquérito da Polícia Federal, no curso da Operação Miqueias, que desbaratou uma quadrilha que desviava recursos de fundos de pensão municipais, tem mais de mil folhas, mas é só um resumo das investigações realizadas até agora.

Existem milhares de outras páginas, contendo grampos telefônicos e revelações até agora inéditas, que estão nos apensos.

Apensos são os anexos onde estão detalhadas as investigações sobre cada membro da quadrilha e cada operação irregular descoberta nas Prefeituras envolvidas.

Os apensos relacionados com a atuação da quadrilha nas Prefeituras de Catalão e de Aparecida, por exemplo, contabilizam mais de 300 páginas.

Sobre o deputado estadual e presidente regional do PMDB, Samuel Belchior, definido pela Polícia Federal como “lobista e intermediário entre a organização criminosa e políticos do seu Estado”, são outras 200 páginas.

Há detalhes também sobre outros prefeitos e políticos, que, por enquanto, a Polícia Federal decidiu na indiciar no inquérito da Operação Miqueias, mas que são passíveis desse enquadramento, a depender da evolução das investigações e dos depoimentos prestados pelas quase 20 pessoas presas até agora.