Não é só Samuel Belchior. PMDB tem um elenco de indiciados em crimes de corrupção, inclusive Iris Rezende

Execrado até dentro do PMDB, o deputado estadual e presidente regional do partido, Samuel Belchior, não é o único peemedebista às voltas com problemas na Justiça.

Muitos outros estão envolvidos em decisões judiciais, como, por exemplo, o ex-prefeito Iris Rezende, que teve parte dos seus bens bloqueados em processo a que responde por improbidade administrativa por atos praticados quando comandava a Prefeitura de Goiânia.

O deputado licenciado Wagner Siqueira, o Waguinho, é outro. Ele também está com parte dos bens bloqueados, por atos de improbidade administrativa praticados quando era presidente da Comurg.

O prefeito de Aparecida, Maguito Vilela, também responde a processos por improbidade administrativa, denunciado pelo Ministério Público estadual por contratos irregulares com… a Delta, ela mesma, a famosa Delta.

Outro peemedebista de destaque, o ex-prefeito de Trindade, Ricardo Fortunato, irmão do deputado estadual Nélio Fortunato, também responde a uma série de ações, por irregularidades cometidas durante o seu mandato como prefeito da Cidade Santa.

Adib Elias, ex-prefeito de Catalão, teve suas contas rejeitadas pela Câmara Municipal, onde o PMDB tem maioria, diante da constatação de uma série de desvios e práticas ilegais durante o seu mandato.