Deputados da base de Marconi fogem do pedido de CPI para investigar as fraudes na Previdência dos municípios

Os deputados estaduais da base do governador Marconi Perillo, com exceção de dois, recusaram-se a assinar a proposta de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar os desvios que foram praticados nos fundos previdenciários municipais – denunciados pelo Tribunal de Contas dos Municípios e pela Operação Miqueias, da Polícia Federal.

Até agora, somente Túlio Isac, autor da ideia, e Talles Barreto assinaram o pedido da chamada CPI da Previdência Municipal.

O líder do Governo, Fábio de Sousa, disse ao deputado Túlio Isac que está pronto para assinar a CPI, mas saiu-se com a desculpa de que só o fará como o último a autografar o documento.

Na bancada da oposição, é óbvio que ninguém tem interesse em assinar uma CPI que terá como um dos seus alvos o deputado Samuel Belchior e pode ainda respingar no colega Daniel Vilela, os dois do PMDB. Samuel foi indiciado no inquérito da Polícia Federal como membro da quadrilha que desviava recursos de fundos municipais de pensão e Daniel Vilela aparece em uma foto almoçando com a “pastinha” Luciane Hoepers, além de ser mencionado em conversas telefônicas que foram grampeadas.

No episódio da Operação Monte Carlo, a Assembleia instalou CPI para apurar o envolvimento do governador Marconi Perillo e de outras autoridades do Estado com o empresário Carlinhos Cachoeira.