Jornal Opção: “Vanderlan foi hipnotizado por Braga e acredita que vai ser governador de Goiás”

Esbanjando humor, mas falando seriamente, o editorial do Jornal Opção, na edição deste fim de semana, especula sobre os motivos que levam o empresário Vanderlan Cardoso a acreditar que é “diferente” e que vai ser “o próximo governador de Goiás”.

Segundo o semanário, Vanderlan freqüenta sessões de hipnotismo na produtora Kanal Vídeo, de propriedade do ex-secretário da Fazenda Jorcelino Braga.

É uma metáfora. Mas, como se verá a seguir, muito verdadeira.

Vanderlan, esclarece o Jornal Opção, não vai sozinho às “sessões” na Kanal Vídeo. Ele costuma se fazer acompanhar do ex-governador Alcides Rodrigues. Os dois “entram céticos e realistas na Kanal Vídeo e saem acreditando, como que hipnotizados, que podem governar Marte e os Estados Unidos. Em 2010, depois de conversar com Braga, Vanderlan saía dizendo, com todas as letras, que seria eleito governador. Parecia escrito nas estrelas. Resultado das urnas: 80% dos eleitores disseram “não” ao então candidato do PR. Três anos depois, sem aprender a lição, Vanderlan, empresário competente e um político aparentemente sem nódoas graves no currículo, permanece enfeitiçado pelas artimanhas das pesquisas miraculosas encomendadas por Braga”.

É por isso, prossegue o editorial, que Vanderlan arrogantemente afirma que “não encarna a terceira via, mas, sim a primeira”, mesmo discurso de Alcides Rodrigues.

O “diferente” e o “novo” que Vanderlan, “hipnotizado” por Braga, acredita ser, são desmontados na conclusão do Jornal Opção, que cita a filiação de Alcides ao PSB: Trata-se, como se sabe em Santa Helena e no Pará, de um latifundiário, de um político de direita filiando-se a um partido da esquerda moderada. Retirada a ‘plástica’ ou a ‘máscara’ de Alcides, o que se tem de fato? Se Alcides e o ex-prefeito de Trindade George Morais, este do PDT, são representantes do ‘novo’, como quer Vanderlan Cardoso, ninguém é ‘velho’ na política de Goiás. O PSB do Estado, diriam Gilberto Freyre e Mino Carta, tem cheiro de Casa Grande”.