Pulcineli cobra demissões de comissionados, que continuam indefinidas

Um dia depois da entrevista do secretário de Gestão e Planejamento (Segplan), Giuseppe Vecci, ao jornal O Popular, defendendo a modernização como a principal linha de ação do governo do Estado, a jornalista Fabiana Pulcinelli publica no mesmo jornal o artigo “Estatísticas do atraso” – criticando o excesso de funcionários comissionados em todas as esferas de poder, mas citando nominalmente o governador Marconi Perillo por anunciar cortes nessa faixa de servidores sem nunca cumprir.

O tema é recorrente nos artigos da jornalista, que frequentemente tem abordado o governador sobre o assunto. “Apesar dos discursos de modernização administrativa e das sucessivas promessas de cortes, o governo estadual tem 7.264 servidores comissionados na administração direta”, argumenta Fabiana.

Vecci, na entrevista de uma página ao O Popular, não abordou a questão do corte de comissionados, que não está sendo conduzida pela Segplan, mas sim pela Secretaria de Assuntos Estratégicos, comandada por Luiz Alberto de Oliveira, o Bambu.

Embora todos os órgãos do Estado tenham encaminhado suas listas de demissões, a pedido da Secretaria de Assuntos Estratégicos, nada ainda foi efetivado.

A cargo da Segplan prosseguem as visitas das patrulhas que fazem blitzen nos órgãos estaduais para conferir se os servidores estão batendo ponto e cumprindo seus respectivos horários.

A fiscalização vale tanto para os efetivos quanto para os comissionados. Cada patrulha é integrada por três inspetores da Segplan.