Editorial-chavão de O Popular sobre aniversário de Goiânia informa até que Pedro Ludovico é o fundador da Capital

É um chiste nas redações a afirmação de que, em matéria de jornalismo impresso, que está a caminho da morte, o editorial se antecipou e já passou para o além há muito tempo.

Em tese, editorial é um texto em que o jornal expressa a sua opinião.

Em tese.

No caso de O Popular, os editoriais diários têm pelo menos uma vantagem: são curtos. Mas, mesmo assim, a leitura é sacrificante.

Nesta quinta-feira, data dos 80 anos de Goiânia, o editorial de O Popular é evidentemente sobre esse tema. E o que se lê é uma enxurrada de lugares-comuns, chavões e repetições infantis.

Em matéria de opinião, o texto não tem nada. Mas trata o leitor como idiota ao trazer informações que não mostram nada de novo (veja, a seguir, cinco delas):

1 – Pedro Ludovico é o fundador de Goiânia.

2 – Com o passar dos anos, Goiânia foi se transformando.

3 – Ao crescer, a cidades aproximou-se dos municípios vizinhos e criou uma região metropolitana.

4 – Nesta quinta-feira, completa 80 anos de idade.

5 – Há muitos problemas e desafios a serem vencidos.

Confira você mesmo, leitor (e vê se aguenta ir até o fim):

 

Desafios da octogenária

Em outubro de 1933 Goiânia era apenas uma placa cravada no vazio do Cerrado e um projeto na cabeça de seus fundadores, liderados por Pedro Ludovico Teixeira. Em sua primeira década parecia um grande canteiro de obras. Em 1942 o projeto ganhou forma e a cidade foi então inaugurada, mas as dificuldades pareciam intransponíveis.

A segunda década de vida de Goiânia foi de muita luta para atrair moradores, investimentos privados e, principalmente, para vencer deficiências de sua infraestrutura básica, como energia elétrica. Ano após ano, a cidade foi se transformando.

Passou pelos traumas da ditadura militar que cassou os mandatos do governador e do prefeito, na década de 60, pela forte expansão urbana provocada pela migração, na década 70, e abriu suas praças para o grito de liberdade de sua população nos grandes comícios da redemocratização, nos anos 80. Seu crescimento intensificou-se na direção de seus vizinhos até formar a região metropolitana de Goiânia.

A capital chega hoje aos 80 anos de idade com cerca de 1,4 milhão de habitantes, quase 1,1 milhão de veículos e 2.979 prédios comerciais e residenciais. A cidade que venceu o desafio de se erguer no vazio do Cerrado agora precisa vencer outros, como o intenso adensamento urbano e as dificuldades de mobilidade. Neste momento é preciso comemorar seu aniversário, mas juntando energias para vencer os novos desafios.