Milionários na política: enfastiados com o mundo dos negócios, eles querem brincar de governar Goiás

Dois milionários protagonizam, no momento, uma série de situações constrangedoras simplesmente porque, talvez enfastiados com o mundo dos negócios, onde ganharam e ganham muito dinheiro, resolveram ingressar na política e agora querem nada mais nada menos do que governar Goiás.

Trata-se do megaempresário Júnior Friboi, do Grupo JBS, o número um do planeta no setor de carnes, e do menos mega, mas também grande empresário Vanderlan Cardoso, da fábrica de salgadinhos Mico’s, uma das maiores do país.

Júnior e Vanderlan meteram na cabeça a ideia de se candidatar a governador de Goiás em 2014. Júnior peita, dentro do PMDB, o velho cacique Iris Rezende e não se sabe se conseguirá a candidatura. Já Vanderlan foi melhor sucedido, ele será, sim, o candidato do PSB, onde não tem que enfrentar ninguém, mas padece de um outro tipo de problema: não tem aliados, ou seja, não há políticos de expressão dentro do PSB (suspeita-se que não há nomes para vice, para senador e para a chapa de deputados federais e estaduais).

Os dois vêm passando por vexames e constrangimentos sem conta. Júnior e Vanderlan têm dinheiro para garantir uma vida de rei, mas se esfalfam em reuniões sem público, visitam corrutelas, perdem tempo atendendo a “lideranças” sem nenhuma expressão e usam à vontade os vultosos recursos que possuem para viajar pelo Estado.

Júnior vai com um modesto Sêneca V, quando a cidade é próxima de Goiânia, ou com um luxuoso jatinho Phenom 100, quando é mais longe. Já Vanderlan viaja no seu poderoso King com hélices e turbinas, igual ao que serve o governador do Estado.

O mais curioso é que ambos, em matéria de negócios, têm a menor parte do patrimônio em Goiás, que querem governar. Júnior, pouca coisa. Vanderlan, uma unidade da Mico’s. Ele tem outra na Bahia, outra no Pará, está construindo uma em Pernambuco e anunciou que pretende fazer mais uma “em Santa Catarina ou no Paraná”. Isso sem falar na fábrica de motos, que está implantando também em Pernambuco, em sociedade com empresários chineses.

Na história política de Goiás, empresários nunca deram certo. Não conseguiram nem sequer conquistar a Prefeitura de Goiânia, que vários deles disputaram – Moisés Abrão e Sandro Mabel, por exemplo – e perderam. Nunca passaram nem perto do Palácio das Esmeralda, que parece reservado aos políticos profissionais, embora, em alguns casos, também milionários, como Iris Rezende e Otávio Lage.

Será que Júnior ou Vanderlan vão conseguir quebrar essa escrita? Até o momento, não há nenhum sinal de que a resposta pode ser positiva. Os dois vão mal nas pesquisas e não conseguem ampliar sua bases de apoio. Politicamente, estão isolados.

Mas são 11 meses até as eleições de 2014. Até lá, o show dos milionários na política continua.