Bateu desespero: Vanderlan corre atrás do PTN de Gedda e põe até Alcides e Braga para tentar a adesão do deputado

Fio Direto: “Pré-candidato ao governo do Estado, o empresário Vanderlan Cardoso se reuniu com o ex-secretário da Fazenda, Jorcelino Braga, e o ex-governador Alcides Rodrigues, para pedir intervenção dos dois junto ao deputado estadual Francisco Gedda no sentido de conseguir apoio ao seu projeto para as eleições de 2014.”

Veja a nota completa:

 

Vanderlan quer apoio do PTN para a terceira via
Pré-candidato ao governo do Estado, o empresário Vanderlan Cardoso se reuniu com o ex-secretário da Fazenda Jorcelino Braga (PRP) e o ex-governador Alcides Rodrigues (PSB) para pedir intervenção dos dois junto ao deputado estadual Francisco Gedda (PTN) no sentido de conseguir apoio ao seu projeto para as eleições do ano que vem. Vanderlan teria oferecido a Gedda a vice-governadoria e/ou apoio total a uma candidatura dele ao Senado e também a Marcão do Jardim Canedo (PTN) para a Câmara Federal. Porém, Gedda mantém-se firme no apoio a Júnior Friboi. Adversários e até alguns aliados atribuem a dificuldade de Vanderlan na montagem de uma boa chapa de candidatos a senador, deputados estaduais e federais às últimas campanhas eleitorais no Estado, em que ele teria deixado Barbosa Neto e o cantor sertanejo Rener na mão para apoiar a candidatura de Misael Oliveira (PDT) para a Prefeitura de Senador Canedo, aglutinando 19 partidos para a eleição vitoriosa do pedetista e “depois virou as costas para a maioria dos apoiadores”, segundo afirma uma fonte da legenda. Outro pedetista conta que a relação entre Vanderlan e Misael já foi embora, embora os dois neguem. O curto-circuito se deve ao remanejamento da irmã de Vanderlan, Vanilda Cardoso, da Diretoria de Habitação para um cargo menor na Secretaria da Mulher de Senador Canedo. Vanderlan também não estaria gostando nada dos discursos de Misael nas solenidades de inauguração no município, em que ele destaca as ações de Marconi Perillo (principalmente a duplicação da GO-403), referindo-se ao governador como “amigo e irmão.”