É marmelada: presidente do Conselho de Ética da Câmara, Célia Valadão inocenta Paulo Borges por antecipação

A vereadora Célia Valadão (PMDB) mostrou hoje porque foi escolhida líder da base do prefeito Paulo Garcia (PT) na Câmara Municipal de Goiânia. Alheia ao inquérito que investiga liberação de propina em troca de licenças ambientais na prefeitura, Célia afirmou que o vereador Paulo Borges (PMDB), preso há uma semana, é inocente. Célia não esperou sequer o Conselho de Ética da Câmara, o qual ela preside, se reunir para discutir o caso. A oposição planeja pedir a cassação do mandato de Paulo Borges, mas já enxerga na postura da líder do prefeito na Casa o desejo de melar o processo.

Clécio Alves (PMDB), presidente da Câmara, forma dupla desastrosa do Célia Valadão
Clécio Alves (PMDB), presidente da Câmara, forma dupla desastrosa do Célia Valadão (PMDB)

É a segunda manobra desastrosa de Célia Valadão em menos de uma semana depois de investida na liderança na bancada aliada ao Paço. Na quarta-feira, ela foi porta-voz de uma ameaça do prefeito que irritou vereadores: Paulo Garcia disse que, caso o seu veto a projeto que garantia carga horária isonômica a servidores da Saúde caísse, ele entraria na Justiça contra a Câmara.

Em vez de defender o poder Legislativo, Célia Valadão corroborou a ameaça. A oposição acredita que ela e o presidente Clécio Alves (PMDB), conhecido pelo seu comportamento destemperado, serão protagonistas dos anos de pior qualidade no diálogo entre a prefeitura e a Câmara Municipal. Célia tem a promessa de Paulo e do ex-prefeito Iris Rezende (PMDB) que será eleita para o cargo de Clecio daqui dois anos.