Deputada federal pra quê? Avaliações do DIAP e agora da Veja-UERJ mostram que dona Iris não tem peso nenhum na Câmara

O ano de 2013 trouxe más notícias para a deputada federal dona Iris Araújo, a mais votada de Goiás nos últimos dois pleitos.

Nas avaliações promovidas pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar e agora pela revista Veja, com apoio da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, a deputada não se saiu bem.

Muita ativa nas redes sociais, onde passa o tempo denegrindo os adversários, dona Iris Araújo parece ter relegado a Câmara Federal ao segundo plano.

Na lista do Diap, que relaciona os 100 parlamentares mais influentes do Congresso Nacional, ela não foi citada. E nem na lista menor que acompanha a principal, onde são apontados os deputados de atuação promissora.

Na lista da revista Veja-Uerj, dona Iris recebeu nota vermelha, ficando com 4,7 em uma avaliação de desempenho dos deputados federais com base no trabalho de cada em favor da construção de um país melhor, mais justo e mais voltado para o desenvolvimento econômico e social.

O ano de 2013, para a deputada, foi marcado pelo escândalo dos seus gastos com a verba indenizatória, de onde saíram recursos públicos até para pagar conta de motel, vinhos caros e estadia em resorts românticos no litoral carioca.

Outro buraco negro foi a controvérsia gerada pela Casa de Vidro, obra que foi lançada pelo então prefeito Iris Rezende e depois relançada pelo seu sucessor Paulo Garcia, supostamente com recursos federais obtidos pela deputada. Os anos de passaram e, no lugar da obra, perto do Shopping Flamboyant, o que existe hoje é apenas um enorme buraco.