Na Assembleia, Major Araújo acusa imprensa pela morte de avó do coronel Urzêda

Em longo requerimento apresentado na Assembleia Legislativa, o deputado Major Araújo (PRB) pede a solidariedade do Legislativo goiano ao tenente-coronel Welligton Urzêda Mota – segundo ele, vítima da “imprensa sediciosa e tendenciosa” que, com “o seu peculiar inescrúpulo”, publicou notícias inverídicas sobre o seu envolvimento no assassinato do cronista Valério Luiz.

Major Araújo garante que a divulgação de notícias inverídicas causou “danos psicológicos e materiais aos entes queridos” do coronel Urzêda, levando inclusive ao “óbito da sua amável avó”. Outra conseqüência teriam sido os prejuízos causados ao filhos, que tiveram de ser transferidos das suas escolas devido a “perseguições e ameaças”, sobre as quais o deputado não entra em detalhes.

Conforme o deputado, a divulgação dos resultados do inquérito que apurou a morte do cronista Valério Luiz mostrou que o nome de Urzêda não foi sequer ventilado, comprovando-se que ele não teve a mínima participação no episódio. “Mas a imprensa não deu nenhuma ênfase à inocência do coronel”, garantiu.