Friboi diz que sua candidatura não tem volta. Tá bom: Papai Noel, coelhinho da Páscoa, Saci Pererê, tudo isso existe também

Não tem volta. É assim que o empresário José Batista Júnior, o Júnior do Friboi, enxerga sua pré-candidatura ao governo do Estado pelo PMDB. E ele não esconde que está disposto a pagar do próprio bolso sua campanha e as dos aliados.

Entre os principais trechos da entrevista, destaca-se: “Não vejo isto porque é algo vazio. Minha empresa está doando dentro da lei, não estamos fazendo absolutamente nada errado. Por que antes eu podia (doar para campanhas) e agora que sou candidato, não posso? A JBS vai continuar doando do mesmo jeito. Até porque não faço parte da JBS mais como acionista controlador, sou hoje um acionista investidor. Qualquer um pode comprar e vender ações dela sem problemas. E sobre a questão do BNDES, hoje a maior parte dos investimentos deles, em torno de 70%, foi em compras de ações da empresa, não foi somente empréstimos.”

O empresário diz que não vê problema algum sua empresa fazer doações a outros candidatos. “Nenhum, nenhum. Não podemos misturar empresa com projeto pessoal.”

Amplia o assunto: “Isto (fazer campanha com recursos próprios) é o sonho de todo mundo, é o desejo de consumo de todos os políticos. Vejo que Goiás está sendo privilegiado de ter um candidato hoje que ganhou sua vida, construiu seu negócio e vem prestar um serviço ao Estado sem precisar entrar na vala comum do que está aí.”