Até Misael, talvez o único fiel aliado de Vanderlan, admite que é preciso “debater ideias”. Por que Vanderlan não o faz?

Em entrevista ao semanário A Rede, o prefeito de Senador Canedo, Misael de Oliveira, reconhece que “o momento é de debate de ideias”, com vistas às eleições para o Governo do Estado em outubro próximo.

Misael é o principal e mais fiel aliado de Vanderlan. É provável até que, sem o apoio do empresário, não teria vencido as eleições em Senador Canedo. Ele, Misael, jamais diria uma vírgula ou moveria uma palha se isso atrapalhasse um prejudicasse Vanderlan.

Se Misael falou, portanto… a coisa está ficando séria quando o assunto em foco são as propostas que o candidato do PSB a governadoria deveria apresentar à sociedade. “Debater ideias”, como preconiza o aliado Misael.

Vanderlan, muito cobrado sobre as propostas que deveriam servir de base para a sua candidatura, tem enrolado como pode. Primeiro, disse que tinha “técnicos com formação científica e acadêmica” trabalhando em um plano de metas. Depois, anunciou que uma equipe de técnicos da Secretaria da Fazenda é que estava elaborando esse planejamento. Mudou em seguida a conversa para “revelar” que um grupo de “100 técnicos” estava preparando o seu plano de Governo.

Em sua última entrevista a O Popular, na edição do dia 1º de janeiro, o milionário de Senador Canedo fez uma nova curva e assegurou que há 8 meses vem “elaborando” um plano de Governo. Dessa vez, não disse quem estaria “elaborando” o tal plano.

Para muitos políticos e analistas da política, essa conversa toda parece ser uma boa lorota.

Tal como o plano para 25 anos que Vanderlan garantiu ter feito para Senador Canedo, antes de assumir a Prefeitura em 2005. Ninguém nunca viu esse plano e o empresário também não mostra para ninguém.