Paulo Garcia e Antônio Gomide, prefeitos petistas de Goiânia e Anápolis, duas maiores cidades do Estado, param trabalho para discutir eleição. Absurdo!

O prefeito Antônio Gomide (PT) deixou Anápolis por volta das 16 horas desta terça-feira e se dirigiu para o Paço Municipal para encontrar-se com o colega Paulo Garcia.

A reunião entre os gestores das duas maiores cidades do Estado deveria ter na pauta assuntos relevantes para a população dos dois municípios, como a crise na Saúde, problemas no trânsito e transporte coletivo, alagamentos, qualidade das obras públicas e por aí vai.

Segundo informa a jornalista Fabiana Pulcineli, em seu blog na página da internet de O Popular, o encontro foi solicitado por Gomide, que chegou ao gabinete de Paulo Garcia às 17h, portanto, em pleno horário de trabalho.

É o que a população espera, no mínimo.

Que nada, Paulo e Gomide se encontraram para discutir… eleição.

Em pleno horário de expediente.

É ou não é um abuso?

Veja o post de Fabiana em seu blog:

 

Em reunião no Paço, Paulo Garcia e Gomide buscam aparar arestas

Fabiana Pulcineli

Montagem/Arquivo/O POPULAR

Depois da troca de ataques da semana passada, os prefeitos petistas Paulo Garcia (Goiânia) e Antônio Gomide (Anápolis) estão reunidos no Paço Municipal para buscar um entendimento sobre os próximos passos do partido nas articulações para as eleições de outubro. O encontro foi solicitado por Gomide, que pretende ser oficializado pré-candidato do PT ao governo. Ele chegou sozinho, por volta de 17 horas, ao gabinete do prefeito.
A briga se tornou pública depois que um grupo do partido, liderado pelo presidente do diretório estadual, Ceser Donizete, esteve no Paço para falar da reunião com o PT nacional e fez circular a notícia de que Paulo descartou a possibilidade de disputar as eleições. O prefeito ficou insatisfeito com o vazamento da conversa.
Insatisfeito com os movimentos do PT para oficializar a pré-candidatura de Gomide, o prefeito da capital disse ao Giro que o PMDB tem prioridade na indicação da cabeça de chapa. Em reação, Gomide falou, em entrevista ao Papo Político, na CBN Goiânia, em “subserviência” e atribuiu a posição de Paulo aos “problemas administrativos” da Prefeitura.
Dois dias depois, na sexta-feira, Paulo Garcia elevou o tom. Também ao Papo Político, disse ter ficado “indignado” com as declarações de Gomide, que chamou de “deselegantes e inoportunas”. No mesmo dia, Gomide procurou o ex-governador Iris Rezende (PMDB) para conversa e informou que iniciaria uma série de encontros com lideranças dos partidos da oposição.