Jornalista militante reconhece liderança de Marconi e diz que oposição está sem caminho

A jornalista-militante Lênia Soares, que se auto-proclama a Yoani Sánchez de Goiás, finalmente dá o braço a torcer e reconhece a liderança de Marconi Perillo.

Ela afirma ainda que a oposição está perdida e envolvida em práticas fisiológicas que a afastam de seu verdadeiro caminho. A jornalista critica duramente o deputado Samuel Belchior, que virou a Geni da tropa de choque dos profissionais que militam contra o PSDB.

Veja o artigo:

Marconi lidera a situação. E quem lidera a oposição?

Escrito por Lenia Soares – Publicado em 29 Março 2013.

Os fatos não deixam dúvida: a oposição não é oposição e ninguém assume a culpa ou responsabilidade. Todo mundo culpa todo mundo. Enquanto isso, os governistas se reaglutinam e juntam forças. A diferença? Eles tem um líder que puxa a unidade, na dor ou no amor: o governador Marconi Perillo (PSDB).

Quem se contrapõem?

A votação que impediu o Superior Tribunal de Justiça de processar o tucano, é um exemplo claro disso. Por mais que o tema tenha sido debatido, não está esgotado.

E não se esgotou porque não se resolve. Falta oposição. E a falta dela preocupa mais pelo mal que faz a sociedade, do que pelo bem que faz a Marconi Perillo.

O caso – falta de oposição – não se restringe as eleições de 2014. É um problema político e política não é um ato bienal de sucessão.

A saída do presidente do diretório metropolitano do PMDB, Samuel Belchior, durante a votação no Plenário, repercute na censura diária aos meios de comunicação, nas estradas esburacadas, na falta de segurança, na educação precária…

O voto foi secreto. Seis deputados de oposição votaram em prol do governador (leia aqui). Sem qualquer pretensão de adivinhar a escolha de cada um, o incômodo foi provocado pelo silêncio.

Quem cala, consente. E consenso tem impedido a evolução do Estado goiano.

A negociação política, o comodismo, a ausência do discurso, do debate, de projetos alternativos podem afundar a sociedade.

A inexistência do contraditório é a nova praga da democracia brasileira.

E brasileira porque não há contrapontos nem aqui, nem lá, no Congresso Nacional.

O PT tem caminhado sossegado no Governo Federal, na Prefeitura de Goiânia… Assim como caminha o PSDB no Governo Estadual.

Em todas as esferas da gestão pública só se vê situação.

Estamos assistindo a morte da democracia. Pouco a pouco. Este sistema que valoriza a pluralidade de opiniões. A escolha. Lamentavelmente, o que temos pra hoje é pura negociação. Barganha.

Os deputados se acanham e ganham cargos comissionados. Os vereadores se calam e ganham verbas para gabinetes. A sociedade… Se esfola.

É compreensível que os tempos são outros. Talvez não caiba queima de pneus, muros pixados, caras pintadas… Talvez, mas isso tornava o modelo democrático mais nítido.

A reportagem do Diário de Goiás procurou o deputado Samuel Belchior para saber sobre o silêncio, sobre a nomeação de seu pai, sobre as águas de março…

Ele não atendeu, nem retornou as ligações.

Deixa pra lá. O fato – submissão da oposição na Assembleia – precedeu um feriado prolongado. Logo é esquecido. E por mais que o assunto seja retomado nas redes sociais, nada como o tempo. O tempo e uma boa campanha eleitoral em 2014.

Nada como um bom marqueteiro, um bom jingle, uma frase de efeito, a escolha da camisa certa, da cor ideal, das combinações de palavras, do comediante mais querido…

Tudo se resolve.

Será?

Afinal, bom pra Goiás é…