Jornal diz que Marconi vai visitar as 150 maiores cidades do Estado até a eleição

Em reportagem publicada na edição dominical do jornal OHoje, a jornalista Loren Milhomem revela como será o Governo Itinerante, afirmando que o programa organizado pelo secretário Daniel Goulart sinaliza os primeiros passos para a campanha de 2014.

Leia a reportagem na íntegra:

 

Marconi focará maiores cidades de olho em 2014

Serão visitados 150 municípios este ano e em 2014, com estratégia de concentrar nas cidades mais fortes politicamente

Loren Milhomem

A retomada do Governo Itinerante pelo governo do Estado sinaliza os primeiros passos para as eleições de 2014, com eventos que darão ao governador Marconi Perillo a oportunidade de ter mais contato com a população de Goiás. Ainda que tenha feito uma prévia do programa em Catalão, a leva dos serviços oferecidos pelo governo começa a valer, efetivamente, no próximo mês. Na agenda para este ano, estão os maiores municípios e também as regiões em que Marconi precisa se fortalecer, caso se candidate à reeleição. De olho em 2014, o secretário de Articulação Institucional, Daniel Goulart (PSDB), que comanda a equipe responsável pela programação, trabalhou agenda com 20 edições para este ano. Alguns municípios estratégicos, como Goiânia e Aparecida de Goiânia, receberão o programa até três ou quatro vezes.

Ao total, serão 150 municípios visitados, em 30 regiões, neste ano e no próximo, mas a estratégia de focar nas cidades mais fortes politicamente é um dos primeiros passos da caminhada da base do governo para a sucessão estadual no próximo ano. Goiânia, por exemplo, receberá o Governo Itinerante quatro vezes: primeiro na região noroeste, onde o governador, embora tenha conquistado espaço considerável, ainda é tida como reduto eleitoral do PMDB do ex-prefeito Iris Rezende. Em seguida, as regiões norte, oeste e sul. Aparecida de Goiânia terá os serviços do governo em três edições, e Anápolis, duas.

Os outros municípios que compõem o grupo das 20 edições serão visitados uma vez. Em Aparecida, embora o governador tenha obtido êxito no esforço em melhorar as relações com o prefeito Maguito Vilela (PMDB), o terreno ainda é peemedebista, e no período de eleições a amizade consolidada com Maguito pode não somar muito, já que o prefeito deve caminhar com a chapa formada por suas bases. Em Anápolis, Marconi tentará ocupar mais espaço junto à população, que aprova a atual administração petista. Nos bastidores, aponta-se o nome do prefeito Antônio Gomide (PT) para a disputa pelo governo do Estado. Gomide provou sua força nas eleições de 2012.

Daniel Goulart alega que a repetição de edições nas maiores cidades é em virtude da demanda de serviços, e nega que haja estratégia política na agenda. “São centros maiores, onde existem mais demandas para ser atendidas, então não resolveria o governo levar os serviços uma única vez. Mas é verdade que essas edições terão maior diversidade de serviços”, sinaliza.

O objetivo, segundo ele, é deixar serviços nas cidades mesmo com a despedida do programa, como a extensão de cursos e serviços que forem mais necessários na região. Após a região metropolitana, o foco será o Entorno de Brasília, nos maiores municípios: Águas Lindas, Formosa, Novo Gama, Santo Antônio do Descoberto e Luziânia. O governador tem conseguido fortalecer as bases no entorno, mas ainda quer aprovação maior do que obteve nas últimas eleições. Em Luziânia, por exemplo, contará com o apoio do presidente da Agência Goiana de Esporte e Lazer (Agel), Célio Silveira (PSDB), que já foi prefeito por dois mandatos e ainda tem força na região.

Ainda no pacote estão Trindade, Goianira, Senador Canedo. Neste último, embora tenha agora um prefeito aliado, o governador ainda precisa combater as forças ligadas ao empresário Vanderlan Cardoso, que também buscará espaço nas eleições do próximo ano. “Deixaremos algo de concreto, queremos fugir do ‘palestrismo’, dos despachos”, afirmou Goulart.