Eduardo Campos se reconcilia com Dilma e sacrifica candidatura de Júnior Friboi

 

Governador de Pernambuco, Eduardo Campos: ordem para abortar candidatura de Júnior Friboi
Governador de Pernambuco, Eduardo Campos: ordem para abortar candidatura de Júnior Friboi

A campanha de Júnior Friboi (PSB) ao governo de Goiás forte turbulência. Não bastasse o escândalo da venda carne de cavalo pelo grupo JBS – do qual é dono – na Europa, agora o pré-candidato do PSB terá que encarar a diretriz nacional: o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB-PE), teria concordado em abortar a pré-candidatura à Presidência da República para apoiar a reeleição de Dilma Rousseff. Teria também fechado pacote de alianças com o PT para todo o Brasil.

O pacote incluiria Goiás. Neste caso, o PSB seguiria o caminho que o PT decidir: seja apoio à postulação de Iris Rezende (PMDB) ao Palácio das Esmeraldas, seja dobradinha com Antônio Gomide (PT) ou Paulo Garcia (PT) em um cenário de racha do bloco PMDB-PT. De qualquer forma, o certo é que Friboi não será candidato a governador. Terá de adiar, mais uma vez, o seu projeto.

Recentemente, um deputado pernambucano teria confidenciado que o governador de Pernambuco será candidato a senador. E terá pela frente uma missão nobre: ser o principal coordenador da campanha da presidente Dilma Rousseff no Nordeste. “Está mais do que definido: o socialista não será candidato a presidente”, disse o parlamentar.

VETO FAMILIAR E NEGÓCIOS
Especula-se que a família de Friboi, detentora do grupo JBS, tenha vetado Júnior de disputar o governo de Goiás. Sem conhecimento da área, traquejo e mesmo conhecimento administrativo, teme-se que coloque em riscos as companhias da família.

Uma alternativa seria Friboi abandonar a aventura maior e disputar as eleições para a Câmara dos Deputados. A JBS entende que tem aumentado a bancada de parlamentares que acusa o grupo de monopólio do setor.

Não bastasse, a JBS tem negócios milionários com o PT, o partido que governa o País. A empresa que vende carne tomou empréstimos do BNDES com o a bênção de Dilma Rousseff e Lula.

Alguns socialistas, entretanto, temem que Friboi nem mesmo se eleja para deputado, caso demore a articular a campanha. O medo se deve a uma conta no lápis: existem 17 vagas para Goiás e muitos novos políticos já atentos para a corrida.