Silvio Sousa alega falta de protagonismo e deixa Secretaria de Desenvolvimento da Região Metropolitana

O secretário de Desenvolvimento da Região Metropolitana, Silvio Sousa, acaba e anunciar sua saída do governo.

Ele alega falta estrutura, falta de apoio de “colegas” do governo e falta de gerência sobre projetos importantes como o VLT, que era tocada por sua secretaria. Silvio afirma que sua exoneração é de caráter irrevogável.

O agora ex-secretário pertence ao grupo do deputado federal Armando Vergílio (PSD), que também estaria irritado com a falta de autonomia da secretaria.

Leia a carta de renúncia de Silvio Sousa abaixo:

 

COMUNICADO OFICIAL

A Secretaria Estadual para o Desenvolvimento da Região Metropolitana encerra hoje um ciclo, do qual tive satisfação de participar como agente publico dedicado, fiel e leal.

Nos últimos anos, a pasta ocupou-se de projetos que poderão transformar a realidade sócio-econômica de Goiânia e municípios que integram sua região metropolitana. Até aqui, coube a nós, por exemplo, estabelecer e conduzir o planejamento, o projeto e a formatação da licitação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) de Goiânia, cuja construção, esperamos, deverá se iniciar em breve, e a tarefa de dar os primeiros passos para consolidar o Memorial de Goiânia, na Praça Cívica e a Estação Cerrado (antiga sede do Corpo de Bombeiros). Projetos estes, que fazem parte da revitalização da nossa Capital e deverão trazer sensível melhoria na qualidade de vida dos Goianienses.

Com nossa frontal discordância de algumas decisões administrativas, sobre as quais não cabe discussão no momento, mas que levaram a secretaria a perder o papel de protagonista, os projetos de destaque e relevância inquestionáveis para o Estado de Goiás – entre os quais destaco os próprios VLT e Estação do Cerrado – não estão mais de direito ou de fato, sob o comando da Pasta. Por conseguinte a pasta foi excluída dos principais fóruns de debate da sociedade. Dessa forma, além de não termos mais como formular efetivamente as políticas públicas inerentes aos nossos objetivos e às nossas atividades, não temos hoje a condição plena de efetuar o necessário controle e a rígida supervisão das execuções.

Nos seus três anos de existência e, notadamente, no período em que estive como titular, o pequeno e restrito corpo de servidores da Secretaria demonstrou profissionalismo e comprometimento acima de qualquer coisa. Asseguro que contribuíram – e podem contribuir muito mais – com a construção dos pilares do desenvolvimento sustentável de Goiânia e de Goiás.

Creio então que o momento é propício para, quem sabe, se reavaliar o próprio papel da Secretaria no âmbito administrativo do poder executivo estadual, posto que, como já dissemos, os projetos que movimentaram a pasta nos últimos três anos não estão mais diretamente vinculados a ela. A Região Metropolitana ganharia muito com a expansão de suas atribuições, e o corpo funcional certamente não se furtaria diante de novas responsabilidades.

Posto isso, e depois de conversar muito com os companheiros do grupo político do qual faço parte e também com sua excelência, o Governador Marconi Perillo, a quem agradeço imensamente pela oportunidade e confiança, estou convicto de que posso dar por encerrada a minha participação e contribuição nesta pasta. O faço com a consciência e a clareza do dever cumprido e também com o necessário desprendimento para que nenhum projeto, em especial o do VLT, possa, por qualquer razão ou alegação, ser sobrestado, uma vez que, friso, não podemos simplesmente aquiescer com a maneira, a forma e a condução que estão sendo empregadas especialmente neste processo.

Registro que a minha única ambição pessoal bem como a do meu grupo político, liderado pelo Deputado Federal Armando Vergílio, sempre foi a de trabalhar incansavelmente pelo desenvolvimento e crescimento do nosso Estado, mas, para que isso tivesse ocorrido de forma mais eficiente e eficaz, precisaríamos ter tido um mínimo de solidariedade, apoio e respeito por parte de alguns “colegas” da equipe de governo e também espaço e estrutura adequada para trabalhar, o que, mesmo em desacordo com as orientações do Sr. Governador, decididamente e inexplicavelmente, não ocorreu.

Anuncio, portanto, em caráter irrevogável, o meu pedido de exoneração. Deixo aqui consignado os meus sinceros votos para que o governo continue seu empenho para ter êxito na tarefa de promover a justiça social e a prosperidade econômica.

Nossa missão a frente da secretaria termina aqui, mas nosso trabalho por um Estado de Goiás cada dia melhor irá continuar sempre baseado e orientado por princípios cristãos, éticos e morais de seriedade e correção, sempre com muito afinco, respeito ao próximo, espírito público e democrático, valores que fazem parte do grupo político do qual tenho orgulho de fazer parte.

Goiânia, 17 de abril de 2013.

 

_______________________________

Silvio Silva Sousa