Intervenção da cúpula nacional mostra enfraquecimento de Iris. Seria o fim do reinado do velho cacique?

As interferências da cúpula nacional do PMDB na política goiana jogam luz sobre um cenário que alguns peemedebistas ainda insistem em ignorar: o enfraquecimento político de Iris Rezende.

Quem conhece os meandros da história de Goiás sabe que Iris sempre foi o dono do curral no PMDB goiano. Todas as decisões sempre foram dadas e articuladas por ele e seu grupo de aliados. A palavra final era de Iris, pronto e acabou.

Todos aqueles que ousaram driblar o comando autoritário do cacique sofreram represálias. Um dos casos mais recentes é o de Thiago Peixoto, que passou de queridinho do partido ao Judas odiado.

Henrique Meirelles e Vanderlan Cardoso também provaram do gostinho amargo da força de Iris. Achavam que seriam candidatos ao governo. Coitados. Na hora H viram que quem dá as cartas é o Iris e, assim, foram cantar em outra freguesia.

O ano de 213 começou com uma força-tarefa para enfiar Júnior Friboi goela abaixo do PMDB. Até mesmo o ex-presidente Lula participa da jogada. O casal Iris já até almoçou com Temer em Brasília e recebeu o recado da filiação de Friboi.

A cúpula nacional não quer Iris contra Marconi Perillo. Acha que o peemedebista vai sofrer mais uma derrota. E para isso apostam suas fichas no bilionário da carne.

Iris ainda está vendo os deputados pularem para o curral de Friboi. Os parlamentares estão de olho nos bovinodólares do empresário e acham que ele é a solução para todos os problemas do partido.