Pressão pública para o TCE abrir a sua caixa preta é “enorme”, diz o POP

Matéria principal da edição desta segunda-feira de O Popular parte para cima do Tribunal de Contas do Estado, de novo, na questão do excesso de comissionados e da recusa da Corte em fornecer para conhecimento público a lista nominal de funcionários.

Hoje, o TCE tem 340 comissionados e um número menor de efetivos, 294, proporção que vai na contramão dos parâmetros da administração pública não só em Goiás, mas em todo o Brasil.

A reportagem de Fabiana Pulcineli traz um minucioso levantamento das mazelas do TCE no item folha de pagamento.

Há 16 anos que o Tribunal pratica irregularidades com funcionalismo, elevando o número de comissionados e nomeando parentes de conselheiros em absoluta ofensa à legislação.

Pulcineli lembra que um procurador do Ministério Público de Contas que denunciou as irregularidades acabou virando alvo de processo disciplinar.

E registra que há uma pressão pública para que o TCE revele à sociedade os segredos escondidos na sua configuração interna – a chamada caixa preta.

 

LEIA MAIS:

Procurador pode promover operação policial de busca e apreensão de documentos no TCE

Procurador cita Shakespeare ao atacar o TCE por nepotismo: “Há algo de podre no reino da Dinamarca”

O “homem sem medo” agora questiona a atuação do Ministério Público Estadual

Reportagem da TV Anhanguera diz que existe um “cabide de empregos” no TCE

“Homem sem medo” desmente o DM e prova que denuncia nepotismo no TCE desde 2000

Reagiu rápido: procurador topa dar entrevista para contar o que sabe sobre o TCE